Sons of Liberty, o conservadorismo político no heavy metal

Estadão

11 de fevereiro de 2011 | 08h36

Marcelo Moreira

Música politizada no rock está cada vez mais raro, em qualquer vertente. Bob Dylan e Neil Young são mestres no assunto, assim como John Lennon, e de vez em quanto aparecem Paul Simon, Bruce Springsteen, Peter Gabriel e até Paul McCartney dando pancadas diversas.

No metal os temas políticos aparecem de forma genérica, sem alvos específicos, com bandas clamando em suas letras contra a opressão, ditaduras, violência, caos e outros males, mas tudo muito solto e sem foco.

O Queensryche foi bem-sucedido ao passear por temas como a reinserção dos veteranos da Guerra do Iraque em “Amercian  Soldier”, assim como o Iron Maiden teve resultados satisfatórios em “A Matter of Life and Death”, embora com alfuns exageros.

Atualmente, o veterano Ted Nugent continua chamando a atenção mais por suas hilárias entrevistas, de detona os defensores dos direitos humanos, espinafra os imigrantes de qualquer espécie e, como bom legítimo republicano direitista norte-americano, odeia o governo e exige a “América para os americanos.” Não passa de um fanfarrão.

Política com contepudo e qualidade pode ser encontrada no trabalho do guitarrista Jon Schaffer, o líder do Iced Earth. A banda norte-americana faz trabalhos conceituais de respeito e tem na abordagem de temas importantes da história norte-americana material de sobra para mandar recados bem atuais.

Entretanto, é em um trabalho paralelo que Schaffer cai na cabeça nos temas políticos e faz a defesa acalorada dos valores e temas caros à direita americana, mas sem cair na bizarrice e na falta de modos de Ted Nugent.

O guitarrista não é um erudito, mas é um artista bastante inteligente e um estudioso da história dos Estados Unidos e um ativista importante, sem ser troglodita. Não dá para dizer que seja um equivalente à direita de Zack de la Rocha (Rage Against the Machine) ou Jello Biafra (Dead Kennedys), mas é alguém que faz rock pesado, que tem ideias e que sabe como colocá-las.

Uma das formações do Iced Earth: Schaffer é o último da esq. para a dir.

Para não confundir seus fãs e não tornar o excelente Iced Earth panfletário, Schaffer criou o Sons of Liberty, ojnde canta, produz e toca guitarra e baixo. A música é um heavy metal acelerado, mais para o tradicional, ao invés do speed metal competente do Iced Earth. Os temas são mais urgentes e menos trabalhados, justamente para mostrar a diferença entre a banda principal de Schaffer.

O resultado é muito bom, como há muito tempo não aparecia na seara do heavy metal tradicional, ultimaente tão esquecido. “Brush-fires of the Mind” é o nome do primeiro álbum da banda e foi lançado neste segundo semestre de 2010.

“Não fiz este álbum para vender horrores. Quero que ele sirva ao menos para conscientizar os jovens sobre o que está acontecendo no mundo atual e sobre a importância da militância política com forma de participação nas decisões de nossas vidas”, afirmou o guitarrista ao site da gravadora Century Media, que apoia o projeto.

No site do Sons of Liberty, além de todas as coisas comunicadas por Jon, estão todas as músicas do projeto, que retratam muito bem o pensamento dele para este projeto, com letras bem elaboradas e seu estílo característico.

Schaffer (esq.) ao lado de Hansi Kursch (Blind Guardian), parceiro no projeto Demons and Wizards

Apesar das nobres intenções, Schaffer cai de cabeça no patriotismo de forma extremada, exalta o caráter libertário e liberal do povo norte-americano e não tem pudor em expor teorias conspiratórias que de vez em quando deixam o americano médio em pânico. Parte do trabalho é dogmática, mas não chega a ser tão ostensiva quanto qualquer pregação religiosa asquerosa ou petista.

É possível ouvir ao longo do CD trechos de discursos de políticos identificados com a gênese dos Estados Unidos, como Thomas Jefferson (1743-1826), por exemplo, um dos pais da independência da nação e terceiro presidente, governando entre 1801 e 1809.

A faixa mais emblemártica é “We the People”, a última, onde a letra conclama o povo a se manifestar e retomar as rédeas da vida administrativa da nação. Às vezes parece um sermão, mas logo Schaffer volta aos trilhos descrevendo sua visão de mundo tentando evitar os escorregões para o exagero.

Algumas letras são mais explícitas, como “Our Dying Republic”, outras caem para o triunfalismo, como “Tree of Liberty”. As críticas a uma suposta conspiração das chamadas “imprensa e mídia liberais” às vezes soam infantis e paranoicas em “False Flag” e “Don’t Tread on Me”, mas nada que seja ofensivo ou ultrajante.

Foi ótimo o guitarrista não ter lançado o trabalho com o nome do Iced Earth. Merece uma audição atenta. Para quem apenas está interessado em música, é heavy metal de ótima qualidade.

Capa de 'The Glorious Burden', álbum do Iced Earth que traz importantes referências à Guerra Civil Norte-Amerciana (1861-1865)

Como nota histórica, os Filhos da Liberdade (Sons of Liberty) foram essenciais para começar a luta pela independência dos Estados Unidos do Império Britânico no século XVIII.

Vários grupos de comerciantes, colonos e filhos de colonos, se juntaram para protestar contra as leis que estabeleceram impostos escorchantes a partir de 1764, o que desembocou na luta pela independência a partir de 1775.

Estes grupos eram chamados de “Filhos da Liberdade” e participaram da famosa Tea Party (Festa do Chá), quando colonos invadiram navios mercantes ingleses em Boston e atiraram a carga ao mar em protesto contra a Coroa Britânica.

Um movimento neoconservador norte-americano atual, sme vinculação com partidos políticos, mas de direita e extrema-direita – e conservador ao extremo – intitulou-se Tea Party, em alusão às ações dos Filhos da Liberdade de dois séculos atrás.

Lista de músicas:

01 – 1. Jekyll Island 07:19
02- Don’t Tread On Me
03- False Flag
04- Our Dying Republic
05- Indentured Servitude
06- Tree Of Liberty
07- Feeling Helpless
08- The Cleasing Wind
09- We The People

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.