Slash cai de cabeça no hard rock e toca hoje em SP

Estadão

07 Abril 2011 | 08h09

Felipe Branco Cruz

Slash povoa o imaginário de qualquer garoto que, nas décadas 1980 e 1990, sonhou em ser um rockstar. Ao lado de seu ex-parceiro, Axl Rose, no Guns N’ Roses, a dupla personificava o estereótipo de ídolo do rock com atitudes desafiadoras, abuso de drogas e um visual realmente marcante. Esse visual era caracterizado pelos shorts e calças apertadas de Axl e pelas roupas rasgadas e uma indefectível cartola apoiada sobre a vasta cabeleira de Slash.

E foi assim, com duas horas de atraso, mas sem deixar sua cartola de lado (a mesma que ele usou no Rock in Rio 2, de 1991), que Slash entrou, ontem, às 16 horas, numa sala do hotel Sheraton, no bairro carioca do Leblon, para falar à imprensa de sua turnê pelo Brasil e do lançamento de seu primeiro disco solo, batizado simplesmente de Slash. Ontem, ele faria show no Rio de Janeiro; hoje, se apresenta no HSBC Brasil, em São Paulo, e amanhã segue para Curitiba, para show no Master Hall.

O artista vestia uma camiseta com a estampa do Mickey e da Minnie e usava óculos escuros. Mostrava-se descontraído, sorridente e o primeiro tema levantado foi o Brasil.

“Um dos momentos mais marcantes que tive foi durante o Rock in Rio 2. Tocamos para muitas pessoas. Foi inesquecível. Foi a primeira vez que viemos para a América do Sul. Depois do Rock in Rio, eu vi que o público brasileiro é incrível”, disse o guitarrista, que na época integrava o Guns N’ Roses.

O guitarrista Slash (FOTO: REUTERS/Susana Vera)

Slash também contou que quando esteve por aqui, em 1991 e em 2007, foi procurar cobras em locais como a floresta da Tijuca, no Rio.

O guitarrista é fanático por esses animais, tanto que diz ter ficado muito chateado quando soube do incêndio ocorrido no Instituto Butantã, em São Paulo, em maio de 2010, que resultou na destruição de uma coleção com mais de 80 mil cobras. Ele comentou também que saltou de paraquedas na cidade e achou a paisagem incrível. Da música brasileira, citou apenas o Sepultura. “Não conheço muito mais”.

Investida solo

O álbum chega ao mercado depois de uma saga de 23 anos do guitarrista que, durante esse período, atuou em bandas como o Guns N’ Roses, Slash’s Snakepit e Velvet Revolver. O disco conta com a participação especial de músicos como Ozzy Osbourne, Fergie, Ian Astbury, Chris Cornell e Dave Grohl.

No show de hoje, ele será acompanhado no vocal por Myles Kennedy, da banda Alter Bridge, e terá como apoio os músicos Todd Kerns (baixo), Brent Fitz (bateria) e Bobby Schneck (guitarra base).”Acho que Myles Kennedy incrível. Ele é um dos únicos que achei que poderia cantar todas as músicas que gravei no disco”, diz.

Se Slash seguir o repertório do show que ele fez na última segunda-feira, em Santiago, no Chile, os fãs do Guns N’ Roses podem esperar por grandes sucessos como Nightrain, Rocket Queen, Civil War, e clássicos como Sweet Child O’ Mine, Patience e Paradise City. O guitarrista deverá tocar também músicas de suas outras bandas como Mean Bone, do Slash’s Snakepi, e Slither, do Velvet Revolver.

Brigas e drogas

Slash, que neste ano disse à imprensa americana que voltaria ao Guns caso Axl Rose lhe pedisse desculpas, não tocou no assunto da briga. Antes da entrevista, os repórteres foram avisados que ele se recusaria a falar sobre o tema. Slash deixou o grupo em 1996 e até hoje não tem uma relação amigável com Axl.

Duff McKagan e Matt Sorum, também ex-Guns, continuam amigos de Slash. Os dois também são integrantes da banda Velvet Revolver, que Slash formou depois do Guns. A banda, no entanto, está parada, já que o vocalista Scott Weiland deixou o grupo para voltar a cantar com o Stone Temple Pilots.

Os tempos de loucura, segundo o guitarrista, também ficaram para trás. Hoje ele afirma que está completamente limpo. “Conheço bem os efeitos das drogas. Sei exatamente o que elas fazem com a gente”. Slash atualmente usa um marcapasso por causa do abuso de drogas no passado. “Minha onda agora é apenas o rock”. 

Lista de músicas do show de Santinago, no Chile, nesta semana:

 Ghost
 Mean Bone (Slash’s Snakepit cover
 Sucker Train Blues (Velvet Revolver cover)
 Nightrain (Guns N’ Roses cover)
 Rocket Queen (Guns N’ Roses cover)
 Civil War (Guns N’ Roses cover)
 Back From Cali
 Starlight
 Nothing To Say
 Doctor Alibi (solo de baixo)
 Beautiful Dangerous
 Watch This
 Rise Today (Alter Bridge cover)
 My Michelle (Guns N’ Roses cover)
 Patience (Guns N’ Roses cover)
 Guitar Solo / Godfather Theme
Sweet Child O’ Mine (Guns N’
Roses cover)
 Slither (Velvet Revolver cover)
BIS
 By The Sword
 Mr. Brownstone (Guns N’ Roses cover)

Mais conteúdo sobre:

Axl RoseGuns N' RosesSlash