Será que ainda vale a pena ser músico?

Estadão

02 de setembro de 2011 | 06h36

Marcelo Moreira

A desorganização do mercado musical por conta da nova realidade digital no consumo e acesso a obras artísticas está provocando crises existenciais em gente já bem estabelecida no ramo.

A mais nova vítima é o guitarrista Kiko Loureiro, do Angra, uma das três mais bem-sucedidas bandas heavy metal brasileiras. Em sua coluna na revista mensal Guitar Player brasileira, na edição de agosto de 2011, ele expõe a sua angústia de como será o mercado a partir de agora.

Sob o título “A Dúvida”, ele vai direto ao ponto. Vale a pena ser músico atualmente, e ainda mais no Brasil? Ele é constantemente perguntado sobre isso por músicos iniciantes e alunos seus de guitarra. Por mais que ele se esforce, e diga que não tem respostas para isso, ele deixa transparecer uma alta dose de pessimismo.

Loureiro cita uma recente entrevista de Prince, multi-instrumentista e cantor pop de muito sucesso nos anos 80, em que declara que “não pretende voltar a gravar ou lançar coisa nova enquanto não for regularizada essa ‘terra de ninguém’ que se tornou a venda e a distribuição de música na atualidade”. Prince termina dizendo que está confuso com sua profissão e que não sabe como ser o seu futuro.

O guitarrista brasileiro, de certa forma, corrobora a tese de Prince e reclama do que ele chama de “dízimo” que é pago aos músicos desde sempre – e que deve piorar em tempos de consumo digital desenfreado. “Com razão, Prince questiona que o músico não é mais pago pelo seu ofício e quem ganha são as operadoras de celular, Apple e Google.”

O artigo pretende lançar uma ponta de otimismo em seu final, onde Loureiro primeiro questiona se ainda é possível viver música e se “os músicos são pagos pelo que realmente acham que valem”. A conclusão é que não, mas, para ele, “a criação musical nunca foi abortada por causa disso e que por isso é necessário ceder às nossas vontades e se jogar de cabeça na profissão de músico”.

Kiko Loureiro não consegue responder a amigos e alunos se ainda vale a pena ser músico atualmente

A conclusão é bonita, legítima, respeitável e tem ares filosóficas, mas nem passa perto de tentar buscar uma luz no fim do túnel. Loureiro evitou de todas as formas ser alarmista, mas é fato que até ele, músico consagrado internacionalmente, não consegue esconder o desalento que assola a atividade musical.

Se o fim da carteirinha da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB) é um alento, por outro lado o contínuo desmantelamento do mercado musical impulsionado em boa parte pelos downloads ilegais está colocando a parte mais frágil, o músico profissional, em um beco sem saída.

O Combate Rock tem divulgado frequentemente opiniões diversas a respeito dos supostos problemas enfrentados pelo meio musical na questão dos direitos autorais e da remuneração pela produção criativa.

De forma simplista, muitos defendem que quem vive de música hoje precisa ser criativo e encontrar soluções principalmente com a ajuda da internet. E discorrem a elencar uma série de iniciativas, quase todas incipientes, de modelos de negócio para tornar rentável, ou ao menos gerar algum faturamento, a partir da produção musical.

Tudo muito bonito, mas isso nem de longe resolve o problema. A indústria fonográfica e o mercado musical estão minguando e não existe solução à vista. E não serão as iniciativas incipientes defendidas pelos “modernistas” e “viciados em tecnologia” que vão resolver os problemas no médio prazo.

 

Prince promete que não grava mais nada enquanto não houver regras para disciplinas a 'terra de ninguém' da venda e distribuição de músicas na atualidade

E o mais preocupante é que, ao que parece, somente os músicos, talvez a parte mais importante do processo, estão preocupados com isso.

O desmantelamento do mercado e o incentivo do “faça você mesmo” tendem a jogar lá para baixo a qualidade do que se produz e do que se ouve atualmente. E as primeiras vítimas desse rolo compressor são os pequenos selos que, mesmo diminutos, faziam um trabalho profissional de seleção e divulgação. A quem interessa a guetificação da música?

Como já publicados aqui no Combate Rock, uma das consequências do desmantelamento do meio musical é o fim dos grandes legados e a mediocrização total dominando e se tornando regra. Azar nosso.

P.S.: Apenas para acrescentar uma informãção relevante. O crítico musical inglês Simon Reynolds, autor do livro “Retromania – Pop Culture’s Addiction to its Own Past”,  declarou recentemente à Folha de S. Paulo que os dowloads de música pela internet e a oferta infinita de música e pordutos associados são “um desastre para artistas e fãs”.

Segundo ele, “a cultura digital se fundamenta na facilidade, e a facilidfade de acesso e o custo mínimo de aquisição têm levado a uma depreciação no valor da música e à degradação da experiência audiófila”.

Não poderia ser mais preciso.

Tudo o que sabemos sobre:

AngraKiko LoureiroPrince

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: