Sepultura comemora 20 anos de ‘Chaos A.D.’ no Sesc Belenzinho

Estadão

25 de outubro de 2013 | 12h00

Marcos Chapeleta – Dynamite Online

Com três dias de ingressos esgotados em poucos minutos, sendo um deles data extra, já era de se esperar uma grande apresentação do Sepultura. Convidado pelo Sesc Belenzinho, o grupo tocou na integra o álbum clássico “Chaos A.D.”, trabalho que completou 20 anos em setembro. Do lado de fora do espaço, produtos do grupo eram vendidos, entre eles a camiseta comemorativa do aniversário do disco. Ao entrar no local do show, cada pessoa ganhava um encarte especial em formato de compacto de vinil com informações sobre o álbum, ótima ideia do Sesc.

Por volta das 22h, uma introdução com batuques regionais, característica de “Chaos A.D.”, dava conta de que o show estava para começar. Em seguida Derrick Green (vocal), Andreas Kisser (guitarra), Paulo Xisto (baixo) e Eloy Casagrande (bateria) subiram ao palco com os fãs gritando “SE-PUL-TU-RA!”.

A primeira música executada foi “Propaganda”, assim alterando a ordem do disco. Na sequência, veio “Slave New World” e “Amen”. “The Hunt”, cover de New Model Army presente no tracklist, foi anunciada por Derrick. Faixas que há muito tempo não estiveram presentes no repertório foram executadas como “Nomad”, “Manifest” e “We Who Are Not As Others”. Andreas anunciou a instrumental “Kaiowas” como a música mais diferente da banda. A faixa foi tocada no formato plugado com Derrick e Eloy batucando juntos.

Estava nítido que Andreas se divertia ali ao tocar o álbum que ele mesmo disse como um dos principais da carreira do Sepultura. Na sequência, o guitarrista assumiu os vocais para cantar e tocar “Polícia”, dos Titãs, faixa que saiu na versão nacional do disco. Nesse momento, a roda de pogo só aumentou, então veio mais porradas com “Biotech Is Godzilla” e “Crucificados Pelo Sistema”, do Ratos de Porão, com Andreas novamente cantando. Finalizaram o álbum “Chaos A.D.” com as obrigatórias do setlist do Sepultura: “Territoy” e “Refuse/Resist”.

Depois de mais alguns gritos do público, a banda retornou ao palco para tocar outros dois clássicos, foram eles “Arise” e “Inner Self”. Andreas comentou que essa temporada de shows era uma grande celebração à banda pelos quase 30 anos de carreira, então tocou a música “Kairos”. Em primeira mão, o Sepultura tocou a faixa inédita “Impending Doom”, uma forma de mostrar o peso do novo álbum “The Mediator Between Head And Hands Must Be The Heart”. Outra música do novo disco tocada foi a versão de “Da Lama Ao Caos”, de Chico Science & Nação Zumbi. Mais uma vez Andreas Kisser assumiu a voz. A apresentação terminou com Derrick Green urrando “Sepultura do Brasil, 1,2,3,4” e veio “Roots Bloody Roots”. O Sesc foi abaixo.

O álbum “Chaos A.D.” sem sombra de dúvidas é um dos (se não o mais) importante trabalho do Sepultura. Na época com Max e Iggor Cavalera, o grupo colocou elementos de percussão nas músicas, mostrando suas influências brasileiras. A fórmula continuou no disco seguinte, “Roots”. Nesta sexta e sábado tem mais Sepultura no Sesc!

Confira abaixo o setlist e a galeria de fotos do show:

Intro
Propaganda
Slave New World
Amen
The Hunt
Nomad
Manifest
We Who Are Not As Others
Kaiowas
Clenched Fist
Polícia
Biotech Is Godzilla
Crucificados Pelo Sistema
Territory
Refuse/Resist

Bis
Arise
Inner Self
Kairos
Impending Doom
Da Lama Ao Caos
Roots Bloody Roots

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: