Saudades dos Kinks faz líder reunir 'alguns' amigos

Estadão

25 de outubro de 2010 | 08h12

Marcelo Moreira

Bob Dylan é o maior poeta do rock, segundo dizem. Talvez seja. Então Pete Townshend (guitarrista e líder do Who) é o maior prosador e Ray Davies (guitarrista e mentor dos Kinks, é o maior cronista. Dos três, de longe o terceiro é o mais injustiçado e o menos conhecido. Um pecado, em se tratando de música de extrema qualidade.

É verdade que o genioso Davies não ajudou muito. A sua carreira e a dos Kinks foi errática, sem formação fixa por alguns momentos e com longos hiatos sem nenhuma explicação. Mas nada disso invalida sua obra, ou serve de justificativa para o seu ostracismo, ainda que parcial.

Já que ninguém toma providências quanto a isso, então ele mesmo resolveu tratar de fazer um tributo a si mesmo. Ray Davies, o cronista ferino e  cirúrgico do cotidiano inglês, resolveu regravar seus maiores sucessos ao lado de amigos e admiradores. O resultado é “See My Friends”, que será lançado em Londres em novembro.

Nesse disco, regravou 14 hits de sua autoria, todos com participações especiais diferentes. Algumas são bastante inusitadas. Na verdade, quase todas. Ele viajou por uma série de países, desde o início do ano, para visitar bandas e artista, e foi registrando o projeto.

Formação dos Kinks em 1964; Ray Davies é o último à direita

Venerado como compositor e como ativista cultural, Davies costuma rejeitar o rótulo de verdadeiro criador do heavy metal, ao lançar a música “You Really Got Me” com os Kinks em 1964. mExageros à parte, é fato que muita gente boa do rock se diz influenciada pela música e credita a ela a vontade de fazer algo mais rápido, denso e pesado – além de sucesso absoluto nos anos 60, virou hit com a regravação do Van Halen de 1978.

Os Kinks disputam com os Rolling Stones e com o Status Quo o posto de mais antiga banda de rock em atividade. O problema é saber realmente quando a banda está ou não na ativa. Surgida em 1962, mesmo ano das duas bandas citadas, manteve um trabalho intenso e com material inédito até 1993.

Desde então, Ray Davies engatou uma carreira solo intermitente, sendo que de vez em quando coloca no mercado material como se fosse uma nova encarnação dos Kinks. 

 Entretanto, apesar de influenciar várias gerações e de ter uma carreira extensa, o grupo nunca alcançou a mesma repercussão comercial que outros pares igualmente talentosos do mesmo período, como Beatles, The Who e Rolling Stones.

Lista de músicas:

1 – Better Things
(Ray Davies & Bruce Springsteen)

2 – Celluloid Heroes
(Ray Davies, Jon Bon Jovi & Richie Sambora)

3 – Days/This Time Tomorrow
(Ray Davies & Mumford & Sons)

4 – Long Way From Home
(Ray Davies, Lucinda Williams & The 88)

5 – You Really Got Me
(Ray Davies & Metallica)

6 – Lola
(Ray Davies & Paloma Faith)

7 – Waterloo Sunset
(Ray Davies & Jackson Browne)

8 – ‘Til The End of The Day
(Ray Davies, Alex Chilton & The 88)

9 – Dead End Street
(Ray Davies & Amy Macdonald)

10 – See My Friends
(Ray Davies & Spoon)

11 – This Is Where I Belong
(Ray Davies & Black Francis)

12 – David Watts
(Ray Davies & The 88)

13 – Tired Of Waiting
(Ray Davies & Gary Lightbody [Snow Patrol])

14 – All Day And All Of The Night/Destroyer
(Ray Davies & Billy Corgan)