Saiu 'Party Store', dos Dirtbombs. Compre, peça emprestado, etc e tal

Estadão

18 de março de 2011 | 08h32

Mauricio Gaia 

Senhoras e senhores, saiu em fevereiro o novo álbum dos Dirtbombs, “Party Store”. Para quem não conhece o som dos sujeitos, segue abaixo uma definição feita por um amigo meu, após assistir uma apresentação em Barcelona: “É como se a banda de apoio do Stevie Wonder fosse tocar com a cabeça cheia de anfetaminas”.

 Está é a uma das melhores definições para esta banda,  formada em Detroit, no final da década de 90, como um projeto paralelo de Mick Collins (ex-The Gories). 

Party Shore, do Dirtbombs

Em 2001, eles lançaram Ultraglide in Black, que é, com toda certeza, um dos 10 melhores da década passada. Ao lado da guitarra cheia de fuzz e distorção de Collins,  cohabitam dois baixos e duas baterias, que deram uma pegada punk, rápida e nervosa a músicas de Marvin Gaye, Sly & Family Stone, Curtis Mayfield, entre outros. Se você ainda não ouviu, pare TUDO que está fazendo agora e dê um jeito de escutar. Você vai me agradecer por isto. 

Em “Party Store”, Mick Collins e seus parceiros revisitam a cena do início da década de 80 de sua cidade natal. Naquela época, o que bombava nas festas blacks da “Motor City”, era um som eletrônico, cheio de swing, produzido por gente como Juan Atkins, Derrick May e Kevin Saunderson, o “Detroit Techno”. Muitas das ideias destes caras foram devidamente repaginadas, por DJs de outros lugares dos Estados Unidos e Europa, fazendo surgir a cena eletrônica, como conhecemos depois.

O álbum, lançado pelo selo americano In The Red, pode ser encontrado na Amazon ou no ITunes, por módicos 9,90 dolares.

 A forma como a banda conseguiu encaixar a instrumentação da banda a músicas feitas originalmente em sintetizadores analógicos e drum machines, com peso e groove faz com quem goste de balançar a cabeça, balance. E quem gosta de mover os pezinhos, também saem saltitando por aí.  Aposto dizer que, daqui a uns 10 anos, alguém esteja aqui neste Combate Rock escrevendo que “Party Store” é um dos melhores álbuns  desta década.

A formação atual do Dirtbombs

 [kml_flashembed movie=”http://www.youtube.com/v/OScrghVh15s” width=”425″ height=”350″ wmode=”transparent” /]

Sharevari, na versão de A Number of Names, em 1982

 

 

Sharevari, na versão dos Dirtbombs

Tudo o que sabemos sobre:

The Dirtbombs

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.