Rush e o virtuosismo e qualidade de sempre

Estadão

30 de abril de 2012 | 22h00

Diogo Salles

Em outubro de 2010 a turnê Time Machine passou pelo Brasil.  Quem não pôde ver, tem agora uma nova chance, com o lançamento do combo CD+DVD Live in Cleveland .  Em três horas de show, a banda revisa a sua longa discografia e mostra clássicos indispensáveis como
The Spirit of Radio, Freewill e Tom Sawyer.

Na primeira parte do set, eles circulam pelos anos 80 e 90.  Na segunda parte, celebram os trinta anos do aclamado álbum Moving Pictures, tocando-o na íntegra.  Depois, fecham com uma digressão pelos anos 70 mostrando as clássicas 2112, Closer to the Heart e Working Man.

Como nos lançamentos anteriores, a produção é impecável e a banda é perfeita na parte da instrumentação, embora Geddy Lee esteja encontrando dificuldades em cantar o repertório mais antigo.  Os esquetes de humor que apareceram no telão do show são transferidos para o DVD, onde os três integrantes da banda compõem uma auto-paródia.

Ao mostrar que não se leva a sério, a banda acaba recebendo o reforço até dos fãs, sempre coléricos.  Quando o baterista Neil Peart executa suas complicadas passagens, pode-se ver uma fileira de fanáticos praticando o ‘air drums’, contribuindo ainda mais para essa proposta histriônica e bem humorada.  Mas não foi só do passado que a turnê Time Machine viveu.

Havia duas músicas novas – BU2B e Caravan- que farão parte do álbum Clockwork Angels , prometido ainda para este ano.  Segundo rumores, a banda estaria trazendo de volta à baila as longas suítes conceituais, que deram fama ao grupo nos anos 70. É esperar para ver.  E ouvir.

Tudo o que sabemos sobre:

Rush

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.