Roger Daltrey e Paul Weller anunciam parceria para compor

Estadão

02 de abril de 2012 | 17h00

Marcelo Moreira

Enquanto Pete Townshend pensa no que vai fazer da vida e com sua banda, The Who, seu parceiro de quase 50 anos Roger Daltrey anuncia que vai colaborar com o guitarrista e cantor Paul Weller em algumas canções, que podem virar um álbum da dupla ou apenas contribuições para um futuro álbum solo de algum dos dois.

“Weller e eu tocamos juntos no concerto beneficente do Teenage Cancer Trust em Londres, em maio. Ele é muito amigo meu e de Pete (Townshend). Conversando nos bastidores, ele sugeriu que pudéssemos fazer algo juntos nos próximos meses. Adorei a ideia”, disse Daltrey em entrevista à revista New Musical Express. “Ele me perguntou: ‘Por que você não canta mais (material próprio)?’ Eu respondi simplesmente: ‘Encontre um material que valha a pena.”

O curioso é que Weller, ex-líder do trio The Jam e da dupla Style Council, acaba de lançar novo álbum, “Sonik Kicks”, que foi considerado muito bom pela crítica inglesa. Já Roger Daltrey não grava nada inédito na carreira solo desde 1992, quando lançou o apenas razoável “Rocks in the Head”, com a maioria das músicas escrita em parceria com o guitarrista Gerard MacMahon.

 Como artista solo, seu último lançamento foi “A Celebration: with Pete Townshend and Music of The Who”, de 1995, um registro ao vivo em CD e DVD gravado em Nova York no ano anterior durante o conerto que celebrou  os seus 50 anos de idade e que contou com vários convidados, como Pete Townshend, John Entwistle, Lou Reed, Sinead O’Connor, David Sanborn e outros.

Paul Weller foi mentor do Jam, um trio surgido nos áureos tempos do punk rock, em 1976, mas com nítida inspiração mod, a tribo de jovens que rivalizava com os “rockers” na primeira metade dos anos 60 na Inglaterra e que tinha o rhythm and blues norte-americano como inspiração.

The Jam bebeu bastante na fonte dos Kinks e dos Small Faces, mas era nítido que a maior influcência – e idolatria – era o Who, o grande nome da “geração mod” britânica. Weller fez questão de o trio gravar duas versões bem razoáveis do Who, “So Sad About Us” e “Disguises”, músicas obscuras, além da emblemática “And Your Bird Can Sing”, dos Beatles.

Apesar da idolatria e do passado mod e quase punk, as carreiras solo de Daltrey e Weller são bem distintas. Os dois abraçaram a música pop, mas o cantor do Who nunca negou que sempre perseguiu a veia mais comercial e acessível, enquanto que Weller trilhou um caminho mais sofisticado e alternativo – sem contar que o seu Style Council, que criou junto com o baterista Mick Talbot, era quase jazz, ou, como denominado na época, “new bossa”.

Quanto ao Who, Townshend ainda tenta concluir uma nova ópera-rock, chamada “Floss”, a história de um roqueiro que está envelhecendo, enfrentando questões “muito adultas” em sua vida e casamento – envelhecer de modo gracioso em vez de morrer precocemente – Townshend a considera “no estilo de ‘Tommy’ e ‘Quadrophenia'”, mas com uma visão teatral mais bem definida., nos moldes de “Psychoderelict”, seu trabalho solo de 1993 e que aborda tema parecido.

“Eu a vejo como uma grande peça ao ar livre, uma peça musical, para apresentação ao ar livre ou arenas”, disse em entrevista ao New York Times em dezembro passado. Townshend está usando canções convencionais, mas também “‘soundscapes (paisagens sonoras) em som surround’ que contam com efeitos sonoros complexos e montagens musicais.”

O guitarrista também toca paralelamente seu livro de memórias, que ele se recusa a chamar de autobiografia. O detalhe é que ele mesmo está escrevendo, em vez de ser “entrevistado” por um escritor ou jornalista, situação mais comum nestes casos. Townshend já trabalhou como diretor editorial de uma editora nos anos 80 e escreveum livro de contos naquela mesma década, “Horse’s Neck” (“Treze”, no Brasil). Seu novo livro deve se chamar “Who He?” 
 

   That's entertainment … Paul Weller (left) and Roger Daltrey backstage at a Teenage Cancer Trust concert this week. Photograph: PA

Weller (esq. ) e Daltrey em entrevista após o show Teenage Cancer Trust em março deste ano, em Londres

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.