Rock para ler e curtir – editora investe cada vez mais em livros musicais

Estadão

05 de março de 2011 | 08h34

Marcelo Moreira

Pode uma editora especializada em assuntos esotéricos e ligados à maçonaria fazer um bom papel no rock’n roll? Claro que pode, e ainda bem que essa editra existe. A Madras, de São Paulo, está investindo pesado na publicação de livros tendo a música como tema, em especial aas chamadas biografias ilustradas. Para nossa sorte, as obras lançadas são de boa qualidade.

No atual cardápio da Madras, há de tudo, de Led Zeppelin a Beyoncé, de Pink Floyd a Amy Winehouse, de Beatles a Michael Jackson. As pérolas são os livros de rock, com certeza. “Led Zeppelin – Fotografias”, traça um panorama completo do quarteto inglês desde a sua fundação, em 1968. O painel fotográfico não tem grandes novidades, mas é de qualidade extrema, com o que de melhor foi usado para retratar a banda.


(Divulgação)

Já a carreira do Pink Floyd é retratada em detalhes minuciosos feito por um dos maiores especialistas na banda, barry Miles. Em “Pink Floyd – Primórdios” estão as raízes em Cambridge ao status de culto na Londres dos anos 1960.

 Miles, viu a banda tocar quando eles ainda eram chamados The Pink Floyd Sound e escreveu o primeiro artigo feito sobre eles para um jornal alternativo de Nova York em 1966. Também  acompanhou o progresso deles, de uma banda de covers de R&B até se tornarem a força musical lendária que criaria um dos álbuns de maior sucesso de todos os tempos -” The Dark Side of the Moon”.


(Divulgação)‘O Diário dos Beatles’

E Miles também é o autor de “O Diário dos Beatles”. Não é tão profundo e abrangente quanto o do Pink Floyd, mas é uma saborosa e divertida crônica de uma época rica para a música popular.   Esta obra contém uma minuciosa cronologia dos shows, locais das apresentações, declarações dos membros da banda e datas memoráveis.

 Revela a históriados quatro integrantes da banda e expõe não só as brigas, a vida de sexo e drogas como também suas vitórias pessoais. O livro abrange 30 anos, começando durante a Segunda Guerra, em Liverpool, e terminando no final da agitada década de 1960. Assim como em relação ao Floyd, o autor fazia parte do círculo de amizades ds Beales e teve acsso a informações bem interessantes, como detalhes de gravações de músicas e hábitos pouco divulgados dos integrantes.

Os mais recentes lançamentos da Madras retratam duas cantoras de rhythm and blues da atualidade e que frequentam o topo das paradas.  “Beyoncé – História e Fotografias” (152 páginas), de Brandon Hurst, traça um panorama rápido, mas eficiente, da cantora norte-americana.  É a obra mais abrangente sobre a aartista jpa publicada no Brasil.

 “Amy, Amy, Amy”, por sua vez, é a biografia não autorizada de Amy Winehouse escrita pelo jornalista Nick Johnstone. O autor retrata em 152 páginas momentos marcantes da infância de Amy em Londres, sua aproximação com a música, o início de carreira e o sucesso mundial alcançado com “Back to Black”, lançado em 2006. Obviamente os escândalos, os problemas com drogas e álcool, a anorexia e a dissolução de seu casamento também estão no livro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.