Rock na terra dos aiatolás

Estadão

19 de maio de 2013 | 08h07

Miguel Martins – blog Rock Nordeste – Diário do Nordeste

Você não sabia que existia, mas existe. Você nunca ouviu falar, mas deveria.  Nas próximas linhas apresento a vocês um pouco do Rock N’ Roll da terra dos Aiatolás, o Irã. O rock iraniano é amplamente produzido na Europa e também em círculos underground de Teerã, a Capital do Irã.  Quase que em sua totalidade cantado em persa, o que demonstra o sentimento de nacionalismo dessa galera, o Rock do Irã, é claro, tem suas raízes no rock americano, britânico e também no alemão. No entanto, alguns elementos do País são inseridos no som dos caras para dar um ar mais original ( e exótico, cá para nós).

Cena do filme

Cena do filme “‘No one knows about Persian Cats”. FOTO: DIVULGAÇÃO

No início da década de 1970, assim como na maior parte do mundo, a cena roqueira do Irã começava a dar seus primeiros passos, mas, infelizmente (e é infelizmente mesmo), em 1979, com a “revolução” islâmica, o aiatolá Ruhollah Khomeini proibiu o rock, assim como toda forma de de expressão musical no País, o que foi um atraso e retrocesso para um lugar que começava a mostrar seus estilos mais íntimos.

Na verdade, toda a música foi proibida, inclusive, com instrumentos musicasis sendo queimados em praça pública. Gravações, concertos e o porte de instrumentos, tudo, tudo foi proibido. “A música é como uma droga. Quem adquire o hábito já não pode dedicar-se a atividades importantes… Temos de eliminá-la completamente”, disse o aiatolá a uma rádio daquele País.

Vender instrumentos musicais, então, crime rapaz. Ou seja, naquela época, era o mesmo que traficar drogas aqui no Brasil. Crime com direito à punição e prisão.

Somente em 1990, o então presidente Mohammad Khatami  decidiu defender  um ambiente cultural mais amplo e o Irã chegou a vislumbrar um florescimento de uma turma  “raçuda”, que curtia rock e porque não, heavy metal, death metal e por aí vai.  Daí a cena underground iraniana foi surgindo e no final dos anos 1990  o público dessas bandas também apareceu, ainda que os shows sejam restritos pelo Governo e as bandas tenham que pedir permissão para poderem realizar suas apresentações de rock, o que requer que a música passe por uma censura do Ministério da Cultura. Isso te lembra alguma coisa?

Indico
Daí, meu amigo, em tempos de redes sociais, é mandar ver no Twitter, Youtube e Facebook. Indico a vocês entrarem na página oficial do Eendo. Os caras além de colocarem suas músicas, disponibilizam também de toda a cena local. Legal, né?

Bem, eu, particularmente, conheci o som que vem do Irã há uns dois anos, quando assisti ao filmeNo One Knows  About  Persian Cats, do diretor Bahman Ghobadi (as produções cinematográficas do Irã, em minha opinião, estão entre as cinco melhores do mundo).   O longa conta a história real de um casal de jovens músicos e a dificuldade para montar e promover uma banda de indie rock em Teerã.

Acreditem se quiser, mas o diretor Bahman Ghobadi chegou a ser preso duas vezes enquanto rodava o filme, é  claro, por querer passar uma imagem que vai contra aos padrões rígidos de seu País. Ele insistiu na produção por causa do “entusiasmo” e “energia” dos jovens atores. Não perca tempo e corra atrás desse filme, porque é um deleite só e muito dificilmente você irá encontrar nas “melhores locadoras”.

Clique aqui e saiba um pouco mais sobre as bandas iranianas, além de escutar algumas músicas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.