Rock in Rio reverencia bandas nacionais em DVD

Estadão

31 de agosto de 2012 | 17h00

Titãs, Skank, Capital Inicial, Frejat, Detonautas Roque Clube e Jota Quest fizeram bonito no Rock in Rio, do ano passado, e ganharam registros ao vivo. Por Pedro Antunes

Clássicos de três décadas

Do mais recente álbum de inéditas (Das Kapital, de 2010), o Capital Inicial tocou somente Como Se Sente, na abertura da apresentação. Na sequência, hinos da rebeldia adolescente dos anos 1980 até hoje (Independência, Natasha, Fátima e Que País É Este?) e hits românticos (À Sua Maneira). Ainda houve tempo de um cover de Should I Stay Or Should I Go?, da banda inglesa The Clash.

Foto: Flavio Moraes / Fotoarena

Revisitando a obra repleta de sucesso

No DVD do show gravado do Rock in Rio, as caixas de som não atrapalharam o Skank, diferentemente do que aconteceu ao vivo. Com um som mais límpido, os mineiros vão do ska futebolístico É Uma Partida De Futebol e o hit Garota Nacional, ambas dos anos 1990, até canções dos trabalhos mais recentes (Mil Acasos e Sutilmente), que bebem na fonte de um rock mais cheio de texturas e psicodélico.

Encontro ao som de rock de garagem

Os paulistanos Titãs e os portugueses Xutos & Pontapés ajudaram a escrever a história do punk nos seus respectivos países. E o encontro das bandas acabou por se tornar o melhor do Palco Sunset (que promovia reuniões musicais) nos sete dias de festival. Rock na veia, com mais de quatro guitarras juntas e duas baterias. A apresentação energética transpirou protesto e rebeldia.

 

FOTO: JF DIORIO / AE

Celebrando os 15 anos de carreira

Em meio às comemorações do 15.º aniversário da banda, os mineiros do Jota Quest trouxeram um repertório açucarado e cheio de suingue. O baixo de PJ e os teclados de Márcio Buzelin ganharam mais destaque na captação de áudio do que ao vivo, dando pitadas de funk para as canções. Mais Uma Vez, Só Hoje e Do Seu Lado foram um convite para beijos apaixonados na plateia.

Apostas nas guitarras e no discurso

A banda Detonautas Roque Clube começa com as pauladas Mercador das Almas e Combate, mais urradas do que cantadas, mas logo o peso é aliviado com Amanhã. Canções que caíram nas graças da molecada, como O Dia Que Não Terminou, Olhos Certos e Outro Lugar, foram destaque. Há ainda uma versão de Metamorfose Ambulante, uma roqueira homenagem a Raul Seixas.

Frejat faz homenagem aos mestres

Representante do fino do rock nacional dos anos 1980, Frejat fez de seu show um tributo a mestres da nossa música. Com seu vozeirão e ao lado do filho na guitarra, tocou Caetano Veloso, Tim Maia, Legião Urbana. Mostrou também repertório do seu Barão Vermelho e de Cazuza, além de canções da carreira solo. Ele gostou tanto do show que o transformou em seu primeiro DVD solo. Estreia com estilo.

WILTON JUNIOR/AGENCIA ESTADO/AE

Tendências: