Rock in Rio deverá ocorrer a cada dois anos no Brasil

Estadão

08 de novembro de 2010 | 16h22

Felipe Branco Cruz

Depois ter sido realizado na Península Ibérica (Lisboa em 2004, 2006, 2008 e 2010 e Madrid, em 2008 e 2010), o Rock In Rio vai voltar para a sua cidade de origem dez anos após sua última edição. Roberta Medina, vice-presidente da empresa Better World, responsável pela produção do festival Rock In Rio, reuniu ontem a imprensa para anunciar os nomes do patrocinadores do evento: Claro, Coca-Cola, Heineken, Trident e Volkswagen.

Na ocasião, Roberta também adiantou alguns detalhes do festival, que será realizado no ano que vem, nos dias 23, 24, 25 e 30 de setembro e 1º e 2 de novembro, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. “Queremos fazer um Rock in Rio a cada dois anos no Brasil”, disse a empresária.

Oficialmente, nenhuma das atrações principais foi anunciada. No entanto, após a coletiva, os artistas Dinho Ouro Preto e Yves Passarell (Capital Inicial), Paula Lima, Tulipa Ruiz, Andreas Kisser (Sepultura) e a banda NX Zero, se apresentaram num palco improvisado.

Jam session entre os músicos durante o lançamento do Rock in Rio 2011 (FOTO: FELIPE BRANCO CRUZ/AE)

 “Se eles cantaram aqui é porque estarão no Rock In Rio”, garantiu Roberta. “As atrações serão anunciadas a partir do ano que vem”. Di Ferrero, vocalista do NX Zero, disse que já está ansioso. “Quando foi feito o primeiro Rock in Rio eu nem era nascido”.

Segundo Roberta, serão investidos R$ 130 milhões, dos quais R$ 40 milhões (oriundos da Prefeitura do Rio) para a infraestrutura do local, R$ 60 milhões para cachê de artistas e produção e R$ 30 milhões em ações de comunicação. “Ainda não temos nenhuma banda confirmada, mas 40% das atrações serão internacionais”, disse Roberta.

 O festival seguirá o mesmo padrão dos anteriores, com noites dedicadas a diferentes tribos. Andreas Kisser destacou a importância da noite heavy metal. “Bandas que me influenciaram já tocaram no Rock In Rio e sempre na noite heavy metal. O Sepultura está preparando um show especial com orquestra e convidados especiais”, garante.

Andreas Kisser (esq.), Yves Passarel e Dinho Ouro Preto no lançamento do festival (FOTO: FELIPE BRANCO CRUZ/AE)

O terreno onde o festival irá acontecer tem 150 mil metros quadrados e é em frente ao parque de exposições Rio Centro. No local será construído o Parque Olímpico Cidade do Rock. “O Rock In Rio será mais do que um festival de rock. O local terá várias atrações e um parque de diversões. Vamos montar uma infraestrutura que será usada nos jogos olímpicos de 2016”, diz Roberta.

As principais atrações da noite se apresentarão no Palco Mundo. Além disso, haverá uma tenda eletrônica com DJs nacionais e internacionais. As novidades ficam por conta do espaço Sunset, onde artistas nacionais irão convidar artistas estrangeiros para jam sessions. Outro local para as jams será o Rock Street, uma rua com lojas, restaurantes e bares, onde haverá shows de jazz.

A moda estará presente no espaço Fashion, que terá música e desfiles. E enquanto a banda favorita não se apresenta, o público poderá se divertir num parque de diversões que incluirá roda-gigante, montanha-russa e tirolesa.

Ao todo, serão 108 atrações, divididas em 12 horas por dia, em seis dias de evento, para um público estimado em 720 mil pessoas. Tudo isso, segundo Roberta, deverá ser transmitido na íntegra pela televisão. “Acho que não teremos problemas em transmitir todos os shows ao vivo. Há algumas bandas que não permitem, mas isso raramente acontece no Rock In Rio”