Ratt esquenta Anhembi para Whitesnake e Aerosmith

Estadão

21 de outubro de 2013 | 22h00

Jotabê Medeiros – O Estado de S. Paulo

Pouco antes de se apresentar o decano Aerosmith, no festival Monsters of Rock, o grupo californiano de hard rock Ratt mostrou como se propaga o DNA do rock. O Aerosmith, notoriamente, começou na vida emulando os Rolling Stones. E o Ratt parece ter se materializado a partir de uma costela do Aerosmith, inclusive com um vocalista, Stephen Pearcy, que tem nome, postura, ficha corrida de excessos e voz parecidas com os de Stephen Tyler, do grupo de Boston.

Bobby, Stephen e Warren em foto deste ano - Troy Case Images
Troy Case Images
Bobby, Stephen e Warren em foto deste ano

A banda, que tem mais de 30 anos de carreira, jamais tinha vindo ao Brasil, segundo seus integrantes contaram ao apresentador da jornada, Eddie Trunk, pouco antes de iniciarem o seu show, às 19h, no Anhembi, com Wanted Man (seguida de I’m Insane, In Your Direction e You Think You’re Tough). Menos conhecido no Brasil, o grupo ficou devendo alguns hits para esquentar o público. Stephen Pearcy é um veterano no negócio – iniciou-se em Los Angeles numa época em que reinavam Motley Crue, Guns N’Roses e Poison e se diz um descendente direto de uma geração de “hair metal” dos anos 1980.

Figuraça do rock’n’roll, Pearcy acaba de publicar sua autobiografia, Sex, Drugs, Ratt & Roll: My Life in Rock, na qual revela as brigas que fizeram a banda ter vácuos produtivos e separações ao longo dos anos – mas agora estão de novo juntos. O livro foi escrito em parceria com um ghost writer.

Ao contrário do sábado, quando brilharam o Limp Bizkit, o Korn e o Slipknot, o som do Anhembi parece mais potente neste domingo (e um tanto alto e descontrolado também, ao menos nas primeiras atrações internacionais do dia, Dokken, Queensrÿche e Buckcherry).

Tudo o que sabemos sobre:

Monsters of RockRatt

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: