Ratt: 30 anos em 60 minutos no Monsters Of Rock

Estadão

16 de outubro de 2013 | 17h00

Marcos Bragatto – site Rock em Geral

ratt2010No ano que vem o disco de estreia do Ratt, “Out of the Cellar”, completa 30 anos de lançado e o grupo deve fazer turnês tocando todas as músicas dele, como quase já vem acontecendo nos shows mais recentes. É nessa vibe oitentista/comemorativa que o quinteto vem ao Brasil pela primeira vez, como uma das atrações do Monsters Of Rock, festival que, por sua vez, não acontece por aqui há 15 anos.

Também pudera. Na formação atual estão quatro integrantes remanescentes da época. Stephen Pearcy (vocal), Warren DeMartini (guitarra), Juan Croucier (baixo) e Bobby Blotzer (bateria), além do guitarrista Carlos Cavazo, ex-Quiet Riot, contemporâneo da turma. Formação que quase se desfez há pouco tempo, mas que segurou a onda e já prepara o lançamento de um novo álbum de inéditas para o começo do ano que vem. A julgar pelo bem aceito “Infestation”, lançado em 2010 com essa galera, a coisa promete.

É o que nos conta o guitarrista Warren DeMartini, por telefone, direto de Los Angeles. Ele dá pistas de como será o show do Monsters; fala das comemorações dos 30 anos de “Out of the Cellar”; da sonoridade das músicas do novo álbum; da participação dele e de Stephen Pearcy no filme “Sound City”, de Dave Grohl, do Foo Fighters; e de sua passagem relâmpago pelo Whitesnake – vejam só – outra atração do Monsters Of Rock. Confira:

Rock em Geral: Essa é a primeira vez que o Ratt vem ao Brasil. Por que vocês demoraram tanto e qual são as expectativas para o show do Monsters Of Rock?

Warren DeMartini: Acho que não há um motivo que possamos cravar para o Ratt só agora estar indo ao Brasil, com 30 anos de banda. E por isso mesmo a expectativa é de que teremos um momento incrível quando subirmos no palco. São 30 anos e nunca tocamos o Brasil!

REG: Vocês já acertaram o repertório que vão tocar no show?

Warren: Ainda vamos fazer isso. Esse ano de 2014 vai ser o 30o aniversario do álbum “Out of the Cellar”, então vamos tocar muitas faixas desse disco e outras que marcaram a carreira do Ratt, e algumas do nosso último disco. Mas estamos empolgados com as músicas do “Out of the Cellar” juntas.

REG: Nos set list recentes vocês estão tocando muitas músicas dos anos 80. Acha que é isso que o público espera, em vez de focar no disco novo?

Warren: Tem coisas que temos que tocar porque faz parte da nossa história e da história do público, e aí depois você coloca outras coisas. Eu acho que por ser a primeira vez em São Paulo devemos tocar os hits, mas está tudo em aberto ainda, é muito material para escolher. E vamos tocar por no máximo uma hora.

REG: O “Infestation” foi um isco bem recebido de uma fora geral. Você tem boas lembranças de quando ele foi gravado?

Warren: Levamos um tempo para fazer esse disco, decidimos gravá-lo fora de Los Angeles. Fomos para Virginia Beach (do outro lado do País). Todos se mudaram para o estúdio de gravação, que também era um local em que podíamos ficar, para aproveitar melhor o tempo. Aconteceram muitas coisas legais lá, foi um bom período da banda.

REG: Vocês estão para gravar um novo disco…

Warren: Na verdade foi só na semana passada que começamos a trabalhar com Brian Howes (produtor) em algumas ideias. Ele é bem próximo de mim, o que é legal. Nós vamos gravar esse novo disco em Los Angeles, é uma coisa na qual ainda estamos trabalhando e por isso é difícil dizer quando as coisas ficarão prontas, ou quando o disco será lançado. O que posso dizer é que eu adoraria ter alguma coisa de nova para tocar até meados de 2014.

REG: Alguma música já finalizada?

Warren: Temos umas seis ou oito iniciadas, mas precisamos trabalhá-las mais.

REG: Você diria que esse novo material segue mais ou menos a linha do “Infestation”?

Warren: Parece ser um passo seguinte em relação ao “Infestation”. Nele nós estávamos atrás de algo entre o “Invasion of Your Privacy” e o “Dancing Undercover” (álbuns lançados em 1985 e 1986, respectivamente), eram referências a seguir. Nesse disco não deve ter nada parecido com isso, vai ser mais o que estamos vivendo nesse momento.

REG: O Carlos Cavazo entrou bem na banda?

Warren: Ele já esta conosco há cinco anos – ainda não posso acreditar que tem esse tempo todo – e o Juan Croucier voltou para banda há uns três anos, essa é a formação no momento.

REG: Você acha que, depois de tanto entra e sai de integrantes essa formação está entre as melhores que o Ratt já teve?

Warren: Acho que sim, temos quatro dos integrantes da formação original, dos anos 80, e ainda o Carlos Cavazo, que toca muito e veio do mesmo lugar que nós, se criou na mesma cena. Somos amigos e estamos tocando muito bem, já há cinco anos. Cavazo é o tipo de cara certo no lugar certo.

REG: Recentemente vocês tiveram problemas em um vôo, quando foi detectado fumaça dentro do avião (saiba mais)…

Warren: Foi há uns dois meses. O que aconteceu é que havia um problema com o motor e havia algo que não funcionava direito, sendo que a fumaça foi parar dentro do avião. Depois de 15 minutos de vôo, todos ficaram ansiosos com isso. Eu e o Cavazo estávamos bem lá na parte de trás e fomos os últimos a saber o que estava acontecendo. As pessoas que estavam próximas da cabine foram as que ficaram com medo de verdade. Mas estávamos a 15 minutos da decolagem, foi fácil voltar. Não foi tão assustador quanto parece.

REG: Você e Stephen participaram do filme “Sound City”, que o Dave Grohl dirigiu, sobre a história do estúdio de gravação. Como foi isso?

Warren: Ah, foi muito legal! Fomos ao estúdio do Dave Grohl, o “606”, tivemos um momento legal, trabalhando numa das músicas que entraria no disco juntos, chamada “This is My Liked”. Ficamos lá compondo juntos e foi muito divertido gravar com aquela mesa de novo, 30 anos depois, adoramos participar. E também adorei o filme depois.

REG: Você fez parte de uma das formações do Whitesnake, nos anos 80, conte quais são suas lembranças desse período:

Warren: Em 1994 eles estavam no meio de uma turnê europeia. Tocaram na Europa, Japão e foi bom porque o Ratt não fazia tantos shows na Europa quanto nos Estados Unidos, então isso nos ajudou. Eu gosto da banda, adoro o jeito de cantar do David Coverdale e foi bom por ser na Europa, em festivais, foi uma experiência inacreditável.

REG: Por que você saiu?

Warren: Eu ao saí, foi uma turnê que acabou, era uma turnê de uma coletânea do tipo “best of” (“Whitesnake’s Greatest Hits”) que eles estavam lançando. Eles nem estavam tocando naquele período, foi algo bem casual mesmo. Depois dessa turnê eles ficaram parados uns três anos – eu acho- e depois o Ratt voltou e eu nem estaria mais disponível para tocar com eles.

Monsters Of Rock

O Monsters Of Rock acontece em São Paulo, nos dias 19 e 20 de outubro, na Arena Anhembi. Aerosmith, Whitesnake, Slipknot e Korn são os nomes de peso. Os ingressos para o festival estão à venda e custam, no segundo lote (o primeiro esgotou), R$ 330, por dia, ou R$ 590, para os dois dias. As vendas estão sendo realizadas no site www.livepass.com.br, no telefone 4003-1527 ou nos pontos de vendas listados no final do texto. O festival terá dois palcos, com estimativa de público de 40 mil pessoas. A apresentação é do radialista e historiador americano Eddie Trunk.

Criado na década de 1980, no Autódromo de Castle Donington, na Inglaterra, o Monsters Of Rock teve quatro edições em São Paulo, em 1994, 1995, 1996 e 1998. Uma edição reduzida do festival aconteceu no Rio de Janeiro, em 1995, com o nome “Monstros do Rock”. Nomes como Black Sabbath, Ozzy Osbourne, Slayer, Iron Maiden e Kiss estrelaram o festival no Brasil. Abaixo a escalação da edição desse ano por dia de festival e o serviço completo:

Dia 19, sábado:
Abertura dos portões: 10h
12h30: Project 46
13h20: Hellyeah
14h30: Gojira
15h40: Hatebreed
16h55: Killswitch Engage
18h25: Limp Bizkit
19h55: Korn
21h40: Slipknot

Dia 20, domingo:
Abertura dos potões: 11h
12h00: Electric Age
12h50: Doctor Pheabes
13h40: Dr. Sin
14h50: Dokken
16h05: Queensrÿche (banda de Geoff Tate)
17h35: Buckcherry
19h05: Ratt
20h35: Whitesnake
22h35:Aerosmith

Serviço completo:
Monsters Of Rock
Arena Anhembi: Avenida Olavo Fontoura, 1209, Santana
Dias: 19 e 20 de outubro, sábado e domingo
Preço: Lote 1: R$ 300, por dia, ou R$ 560, passaporte para dois dias
Ingressos à venda a partir de 25 de junho: www.livepass.com.br ou 4003-1527
Bilheteria Oficial: Bilheteria no Estádio do Morumbi: 10h/18h (segunda a domingo), não funciona em dias de jogo.

Pontos de venda, sujeitos a taxa de conveniência:
Shopping Mkt Place: Av. Chucri Zaidan, 902 – Morumbi
Horário de Funcionamento:
De segunda a sábado – das 10h às 22h
Aos domingos e feriados – das 14h às 20h

Saraiva Megastore Shopping Morumbi
Av. Roque Petroni Jr. 1089 -Piso Térreo – Morumbi
Horário de Funcionamento:
De segunda a sábado – das 10h às 22h
Aos Domingos e feriados – das 13h às 21h

Showtickets Shopping Iguatemi
Av. Brigadeiro Faria Lima, 2232
Alameda de serviço, 3º Piso
Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado das 10h00 às 21h30
Domingo das 14h00 às 19h30
Não funciona nos feriados

Shopping Villa Lobos
Avenida das Nações Unidas, 4777 – Vila do Cliente Piso G1
Horário de Funcionamento:
De segunda a Sábado – das 10 às 22h
Aos domingos e feriados – das 14h às 20h

Teatro Gazeta
Av. Paulista, 900 – Piso Térreo
Horário de Funcionamento:
De Terça a Domingo – das 14h às 20h

Posto Gravatinha
Av. Portugal, 1756 – Jd Bela Vista
Horário de Funcionamento:
De segunda a sábado – das 09h00 às 21h00
Domingos e feriados: das 10h00 às 18h00

Tudo o que sabemos sobre:

Monsters of RockRatt

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: