O rádio ainda é uma opção para ouvir boa música?

Estadão

17 Junho 2011 | 07h10

Marcelo Moreira

Se havia alguma dúvida sobre o estado de putrefação em que se encontra o rock nacional – e a música brasileira em geral –, a reportagem de Adriana Del Ré, publicada no Jornal da Tarde da última terça-feira e reproduzida no Combate Rock ontem, quinta-feira, acabou com todas elas.

A maioria das emissoras de rádio entrou em crise com a popularização da internet e passaram a depender cada vez mais de artistas populares para “vender” e atrair ouvintes que se contentam com quase nada.

A tal da segmentação, que em tese poderia ser a salvação de algumas delas, mais assustou do que atraiu os empresários do ramo. O que sobrou: um dial de FM em São Paulo congestionado por emissoras iguaizinhas – variando em sua programação com o que de pior existe na música pop.

E dá-lhe axé, pagode lixo, MPB asquerosa e mofada, flashbacks de monte, sertanejos insuportáveis e os lixos piores ainda vindos do exterior – o tal do rhythm&blues que não passa de um hip-hop tosco e música eletrônica bate-estaca inclassificável, entremeados em emissoras de FM convertidas em jornalismo pela migração de rádios AM.

E a explicação vem de alguém que nunca se preocupou muito com a qualidade dos artistas que abraça. Rick Bonadio, o produtor amante do rock, mas que inventou uma das piores coisas de todos os tempos – Mamonas Assassinas – e as coisa medonhas que se transformara nas bandas emo, fala sem meias palavras. “As rádios fazem pesquisas, o público não quer saber de guitarras, quer música mais palatável, sem barulho.”

Então tá, está decretada a ditadura do acústico e das baladas nojentas praticadas por artistas medíocres/sem talento ou que já tiveram alguma credibilidade e tiveram de se render ao “mercado”, pressionados para fazer música ruim, facilmente assimilável e totalmente descartável.

Portanto, esqueça as emissoras de rádio FM. Música boa passa longe do dial. Para cada Kiss FM, de rock, a melhor do país (ainda que deixe bastante a desejar), Eldorado Brasil 3000, de música pop sofisticada e jazz, e Cultura FM, dedicada à música erudita, há 40 iguaizinhas tocando o que de pior é produzido no samba, no axé e no pagode.

Música boa? Tente procurar nas rádios piratas e na internet. Procure a desintoxicação na Last FM, no Concert’s Vault, que é dedicado ao classic rock. Para quem gosta de metal, dois programas fantásticos: Rádio Backstage e Heavy Nation.

Quanto aos patrocinadores, só resta lamentar que caros departamentos de marketing e propaganda insistam na falida estratégia de anunciar para gente que não compra, em emissoras de rádio desprovidas de qualidade musical e de informação. Bom ou ruim, o futuro da boa música está internet ou no seu iPod.

Ouça já:

Rádio Backstage – http://www.radiobackstage.com/

Wolfgang’s Vault/Concerts Vault – http://www.wolfgangsvault.com/concerts/

Heavy Nation – http://www.radio.uol.com.br/#/programa/heavy-nation

Last FM – http://www.lastfm.com.br/ e http://www.lastfm.com

Solid Rock Radio – http://www.solidrockradio.com.br/