Problemas de infraestrutura continuam no Metal Open Air

Estadão

20 de abril de 2012 | 18h51

Marcelo Moreira

Falta de apoio em aeroportos, não envio de passagens aéreas e total falta de informação. O Metal Open Air, festival de heavy metal de São Luís, no Maranhão, é um poço de problemas de infraestrutura, de logística e de total descaso com as bandas contratadas. Além de os campistas estarem acomodados em um estábulo no Parque Independência, apenas um chuveiro e um vaso sanitário estão funcionando – e ainda bem que a energia elétrica e água encanada do local foram religados – informações precisas publicadas pelo site Collector’s Room.

O mesmo site recebeu informações de que a banda norte-americana Anthrax, uma das principais atrações do festival, desemrbacou nesta sexta-feira, ás 11h, no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, e não encontrou ninguém da produção para recebê-los e providenciar a baldeação para outra aeronave em direção a São Luís, por conta própria, os músicos e técnicos conseguiram um voo para o Maranhão, mas somente às 14h.

E o Facebook foi a maneira que outro músico importante, Hugo Mariutti, guitarrista da banda de André Matos, encontrou para protestar contra os problemas graves de organização do evento. A banda está prestes a desistir também do festival. Leia o seu desabafo:

Gostaria de agradecer demais o tratamento VIP que a “produção” do MOA deu a banda Andre Matos. Voaríamos hoje para Sao Luiz, porem algumas passagens de parte da banda haviam sido canceladas, sem qualquer motivo passado para gente. Quem tinha voo confirmado, como eu, foi ao aeroporto, para checar e tentar contornar a situação e para checar nossos localizadores da volta.

Para grande surpresa nao tínhamos as passagens de volta também. O responsável pela produção do festival desligou seu celular e ficamos das 9 ate agora tentando resolver para tocarmos simplesmente para respeitar o publico, pois chegando la teríamos mais uma briga para receber o restante do cachet. Quando este amadorismo vai acabar por aqui?

Nao estou pedindo para tratarem a gente como estrelas, pois quem me conhece sabe, mas respeitar um contrato, respeitar dezenas de familias que vivem e precisam disso. O mais triste e que bandas que foram para o festival sem checar os localizadores da volta correm o risco de ter que arcar com as passagens, ou seja no caso de uma banda e mais equipe seriam R$20,000 de passagens.

Triste, pois ninguem imagina quantas vezes abrimos mao de parte ou de ate todo cachet simplesmente para o publico nao sair perdendo, porem isso foi um grande mal, pois estes “produtores” acham que estao te fazendo um favor de te botar no festival.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.