Paul Weller: pretensão pop com vigor e em alto estilo

Estadão

21 de maio de 2012 | 17h00

Emanuel Bomfim

P aul Weller não é um homem nostálgico. Faz uso das escolas que mais o influenciaram nas suas mais de três décadas de carreira, mas evita cair no clichê vintage do “registro de gênero”, recurso tão em voga.

Rápida digressão e verá que a inquietude sempre guiou suas escolhas, do estopim punk/new wave com o The Jam passando pelo synth pop do Style Council até o britpop assumido nos anos 90.

Sua mais nova investida, Sonik Kicks, mantém este olhar revigorante e estabelece uma pretensão pop em grande estilo: efeitos mil, sintetizadores a galope, multiplicidade de gêneros e David Bowie da fase Berlim. Um som colorido, enérgico, de muitas texturas.

Seduzir é o lema da vez, seja pelo filtro eletrônico démodé, pelo groove do soul aplicado aos riffs de guitarra ou até pelo discurso sincero – e batido – das crises de meia idade. Nesta miscelânea bem-humorada, apolítica, nada soa tão bem como a excursão pelo dub de Study in Blue. É o ponto alto de um disco de fôlego, na medida para o nada acomodado Paul Weller.

Tudo o que sabemos sobre:

Paul Weller

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.