Paul McCartney, irretocável

Estadão

22 de novembro de 2010 | 21h49

Jair Stangler e Jotabê Medeiros

Paul McCartney entrou no palco às 21h35 e, diante do Morumbi lotado (64 mil pessoas) deu início ao show com as mesmas músicas que abriram o espetáculo em Porto Alegre.

As três primeiras foram canções da década de 70 da banda Wings: Venus and Mars e Rock Show, de 1975, e Jet (de 1974).

Em seguida, reproduziu o clássico All My Loving, dos Beatles, e mostrou que anda mesmo treinando o idioma português: “boa noite, paulistas”.


Vendo o show mais de perto, é possível sentir o calor do fogo nas explosões de “Live and Let Die”. Imagem: Reprodução do site www.paulmccarney.com

Os dois shows foram quase idênticos. O mesmo setlist. As mesmas piadas (em inglês e em português). Tanto em São Paulo como em Porto Alegre, o baterista Abe Laboriel deu um show à parte em “Dance Tonigh”. No Beira-Rio e esta noite, em São Paulo, o palco pegou fogo quando Sir Paul McCartney executou “Live and Let Die”. Em Porto Alegre, agrados a gaúchos (“Mas bah, tchê!”) e a paulistas (com uma musiquinha feita para a ocasião, “ô São Paulo!”). A mesma excelência técnica e a mesma energia. As plateias deram show lá e aqui. Com tantas semelhanças, não é o mesmo show.

 

O show de Porto Alegre foi da catarse. Há aquelas músicas que aprendemos a gostar quando crianças. É a chance de ver ao vivo “A Day in the Life”, “Helter Skelter” e “I’ve got a feeling” tocadas pelo seu autor.  Um amigo se vangloriava depois do show de ter visto a “santíssima trindade do rock”: Bob Dylan, Rolling Stones e, ao menos, um beatle.

Além disso, tem toda a questão afetiva. Em Porto Alegre, estava com minha mãe e alguns amigos no estádio do meu time, o Inter. Ah sim, e havia também as gaúchas – embora alguém possa argumentar que em São Paulo há as paulistas, o que é verdade. Ficamos longe do palco. A visibilidade era boa, mas é diferente de ficar perto do palco.

Em São Paulo, fiquei bem mais perto do palco, da torre de som e dos telões. Além de uma visão melhor do show, é mais divertido quando os fogos e explosões de “Live and Let Die” acontecem perto de você. É possível ver mais detalhes do que acontece no palco.

A diferença está, principalmente, na posição e na circunstância do observador, na maneira como o show é visto. Da parte de Sir Paul, o show é praticamente o mesmo grande show de rock de sempre.

Tudo o que sabemos sobre:

BeatlesPaul McCartney

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: