Offspring: punks perdidos no século XXI

Estadão

02 de setembro de 2012 | 23h05

Marcelo Moreira

A banda norte-americana Offspring surgiu nos anos 90, ao lado do Green Day, quando o punk estava mais do que enterrado. A ideia era fugir da urgência das politizadas bandas britânicas do gênero e resgatar uma certa inocência pregada pelos Ramones.

Deu certo até o momento em que seus integrantes descobriram que não tinham o carisma “ramoniano”, ou seja, não dava para fazer a vida inteira a mesma coisa e agradar sempre. O Green Day também percebeu isso e conseguiu progredir além do “poppy punk” adolescente, com trabalhos mais densos e conceituais neste século XXI.

O Offspring não teve a mesma capacidade – patinou bastante nestes anos 2000 e continua empacado na mesma fórmula do início de carreira.

O novo trabalho, “Days Go By”, ao menos, mostra que o grupo está tentando sacudir a pasmaceira, mesmo que, por enquanto, o resultado não ultrapasse o apenas razoável. As guitarras estão mais pesadas em algumas músicas e houve flertes com o pop mais descarado, esbarrando no rhythm and blues atual. Não ficou bom, assim como a tentativa de reggae sem nenhum jogo de cintura em “OC Guns”.

A banda está perdida? De certa forma, pois está com dificuldade em se renovar, principalmente ao atirar para vários lados. Sem um pingo do carisma dos Ramones, o futuro é incerto.

Tudo o que sabemos sobre:

Offspring

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.