No Dia do Rock, uma homenagem ao templo sagrado Marquee Club

Estadão

13 de julho de 2012 | 17h00

Marcelo Moreira

Um porão infecto, com suor escorrendo pelas paredes, calor insuportável, serviço péssimo de atendimento, som igualmente péssimo. Essa é uma pequena descrição feita de maneira bem humorada pelo guitarrista Pete Townshend daquela que é uma das cinco casas noturnas mais importantes da história do rock – está no mesmo patamar do Cavern Club, de Liverpool, a “casa” dos Beatles.

O Marquee Club foi lembrado nesta semana por ter servido de palco para o primeiro show pago dos Rolling Stones, em 12 de julho de 1962. Naquele tempo, disputava com o Crawdaddy, clube de jazz e blues, como a principal casa de shows underground de Londres.

Todo artista relevante da música popular tocou no Marquee ao menos uma vez, em diferentes estágios da carreira. A lista é interminável: The Who, The Kinks, The Animals, The Yardbirds, Jeff Beck Group, Cream, Jimi Hendrix Experience, The Doors, Led Zeppelin, Jethro Tull, Yes, Pink Floyd, King Crimson, Eddie and the Hot Rods, The Stranglers, Generation X, London, The Police, Skrewdriver, Buzzcocks, The Jam, The Clash, Joy Division, The Sound, The Cure e Dire Straits, Def Leppard, Iron Maiden, AC/DC, Dream Theater, Steve Hillage, Rory Gallagher, Racing Cars, The Enid, Hanoi Rocks…


Dos integrantes atuais na foto, apenas Mick Jagger e Keith Richards
se apresentaram no Marquee, há 50 anos. Foto: Reprodução

Em um momento em que São Paulo perde duas casas importantíssimas para o mercado imobiliário – Via Funchal e o antigo Palace –, é mais do que justa a homenagem ao Marquee neste 13 de julho, Dia Internacional do Rock. E o que é melhor, com grandes chances de que o local seja reaberto até 2014, em outro endereço.

Criado em 1958 por amantes de jazz e skiffle, mudou de endereço três vezes até o seu primeiro fechamento, em 2003. No ano seguinte, com a ajuda de novos sócios, reabriu, para falir novamente em 2008. Empresários do ramo musical estão mobilizando em Londres para viabilizar a reabertura dentro de dois anos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: