A volta do Monsters of Rock precisa ser celebrada

Estadão

16 de outubro de 2013 | 06h36

Marcelo Moreira – com informações do blog Roque Reverso

Em um ano com tantas atrações e megashows internacionais acontecendo mensalmente, aquela que deveria ter sido a grande notícia do rock em 2013 acabou ofuscada pelo gigantismo do Rock in Rio, do Black Sabbath com Ozzy, do Lollapalooza, do Planeta Terra Festival, entre outras coisas. A volta do Monsters of Rock após 15 anos de ausência às arenas brasileiras precisa ser comemorada, e muito. Marca poderosíssima, deu nome a um evento que já recebeu artistas como Iron Maiden, Kiss, Slayer e Black Sabbath, entre outros.

Os organizadores tiveram a sabedoria de fazer o festival em dois dias, separando bem os públicos para que qualquer possibilidade de constrangimento ou vaias fosse ao menos amenizado. No dia 19 de outubro foram escaladas as bandas mais pesadas e com sonoridade mais moderna, que agradam a um público mais jovem. No dia seguinte, predominam o rock clássico, o hard rock e heavy metal tradicional, que fazem a alegria dos puristas, dos adeptos da melodia e dos mais velhos em geral.

A escalação das atrações foi bastante criticada por jornalistas de grandes portais de internet e grande imprensa no geral. A reclamação era em relação à falta de um grande nome de peso e à presença maciça de bandas veteranas e já com prestígio em baixa, como Aerosmith e Whitesnake, além de algumas consideradas de terceiro escalão, como o Ratt, por exemplo.

A crítica tem um fundo de razão, mas não se sustenta quando observamos o contexto do retorno do festival. Marca forte, mas que por razões mercadológicas insondáveis foi abandonada no Brasil, o Monsters of Rock retorna como uma grande alternativa aos “alternativos”.

Com a proliferação – bem-vinda, por sinal – de eventos para bandas mais novas e, de certa forma alternativas, como o Lollapalooza, SWU e Planeta Terra, o espaço para o rock mais pesado e o mais tradicional acabou diminuindo. Só o Rock in Rio, que ocorre a cada dois anos no Brasil, abre algum espaço para artistas como Iron Maiden, Metallica, Slayer, Sepultura, Helloween e bandas do gênero. Portanto, há uma lacuna no mercado que pode ser preenchida, mas de forma mais cautelosa, até mesmo em razão de algumas situações econômico-financeiras – o dólar subiu bastante em 2013, fazendo com que o SWU estejja temporariamente cancelado, por exemplo.

Outro fator importante é conscientizar novamente um público órfão de festivais de rock pesado no Brasil. O Metal Open Air, em São Luís (MA), em 2012, foi o maior fiasco já ocorrido no ramo musical e de entretenimento brasileiro. No começo deste ano, o Live ‘N Louder também retornou, comemorando os 25 anos da empresa organizadora, a Top Link, tendo o Twisted Sister como banda principal, mas só conseguiu atrair cerca 2 mil pessoas, menos de um terço do esperado.

Os artistas contratados para a edição de retorno do Monsters, portanto, seguiu critérios conservadores de mercado. A ideia era consolidar a marca primeiro, para depois haver algum tipo de ousadia na escalação. Portanto, a vinda de Aerosmith e Whitesnake como os grandes nomes é coerente para que a marca volte a ser valorizada. Os organizadores (a produtora XYZ) preferiram entrar com o jogo ganho para evitar grandes surpresas. Só faltou o Scorpions mesmo para ter a certeza absoluta de que haveria lotação total.

Diante da absoluta falta de locais grandes adequados para receber o festival, sobrou mesmo a chamada Arena Anhembi para o evento. Inadequado e muito aberto, assim como o Campo de Marte, vizinho ali na zona norte, o local será mais um teste de paciência para os espectadores. Os organizadores esperam um público de 40 mil pessoas em cada dia de evento. O evento contará com dois palcos.

O dia 19, um sábado, é destinado aos grupos Slipknot, Korn, Limp Bizkit, Killswitch Engage, Hatebreed e Gojira. No dia 20, é a vez de Aerosmith, Whitesnake, Ratt, Buckcherry e Geoff Tate’s Queensrÿche.

Nas quatro edições que aconteceram no Brasil na década de 90, os festivais da série Monsters of Rock sempre foram predominantemente de heavy metal. Enquanto os eventos de 1994, 1995 e 1996 aconteceram no Estádio do Pacaembu, o festival de 1998, foi realizado na pista de atletismo do Ibirapuera. A primeira edição, em 1994, trouxe quatro bandas nacionais (Angra, Dr. Sin, Viper e Raimundos) e quatro internacionais (Suicidal Tendencies, Black Sabbath, Slayer e KISS).Na edição de 1995, o número de atrações aumentou. A única banda nacional foi o Virna Lisi. Já entre o nomes internacionais, os representantes foram Rata Blanca, Clawfinger, Paradise Lost, Therapy?, Megadeth, Faith No More, Alice Cooper e Ozzy Osbourne.

Na edição de 1996, o grupo Raimundos foi o único brasileiro. Na parte internacional, os nomes foram Heroes del Silencio, Mercyful Fate, King Diamond, Helloween, Biohazard, Motörhead, Skid Row e Iron Maiden.

O Monsters de 1998 também trouxe grande número de atrações. Entre os brasileiros, os representantes foram o Dorsal Atlântica e o Korzus. Do lado internacional, Glenn Hughes foi o primeiro a tocar, seguido por Savatage, Saxon, Dream Theater, Manowar, Megadeth e Slayer.

Dia 19, sábado:
Abertura dos portões: 10h
12h30: Project 46
13h20: Hellyeah
14h30: Gojira
15h40: Hatebreed
16h55: Killswitch Engage
18h25: Limp Bizkit
19h55: Korn
21h40: Slipknot

Dia 20, domingo:
Abertura dos potões: 11h
12h00: Electric Age
12h50: Doctor Pheabes
13h40: Dr. Sin
14h50: Dokken
16h05: Queensrÿche (banda de Geoff Tate)
17h35: Buckcherry
19h05: Ratt
20h35: Whitesnake
22h35:Aerosmith

Serviço completo:
Monsters Of Rock
Arena Anhembi: Avenida Olavo Fontoura, 1209, Santana
Dias: 19 e 20 de outubro, sábado e domingo
Preço: Lote 1: R$ 300, por dia, ou R$ 560, passaporte para dois dias
Ingressos à venda a partir de 25 de junho: www.livepass.com.br ou 4003-1527
Bilheteria Oficial: Bilheteria no Estádio do Morumbi: 10h/18h (segunda a domingo), não funciona em dias de jogo.

Pontos de venda, sujeitos a taxa de conveniência:
Shopping Mkt Place: Av. Chucri Zaidan, 902 – Morumbi
Horário de Funcionamento:
De segunda a sábado – das 10h às 22h
Aos domingos e feriados – das 14h às 20h

Saraiva Megastore Shopping Morumbi
Av. Roque Petroni Jr. 1089 -Piso Térreo – Morumbi
Horário de Funcionamento:
De segunda a sábado – das 10h às 22h
Aos Domingos e feriados – das 13h às 21h

Showtickets Shopping Iguatemi
Av. Brigadeiro Faria Lima, 2232
Alameda de serviço, 3º Piso
Horário de Funcionamento:
Segunda a Sábado das 10h00 às 21h30
Domingo das 14h00 às 19h30
Não funciona nos feriados

Shopping Villa Lobos
Avenida das Nações Unidas, 4777 – Vila do Cliente Piso G1
Horário de Funcionamento:
De segunda a Sábado – das 10 às 22h
Aos domingos e feriados – das 14h às 20h

Teatro Gazeta
Av. Paulista, 900 – Piso Térreo
Horário de Funcionamento:
De Terça a Domingo – das 14h às 20h

Posto Gravatinha
Av. Portugal, 1756 – Jd Bela Vista
Horário de Funcionamento:
De segunda a sábado – das 09h00 às 21h00
Domingos e feriados: das 10h00 às 18h00

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: