Lollapalooza: aprovado com louvor em SP

Estadão

10 de abril de 2012 | 18h00

Jotabê Medeiros  e Roberto Nascimento

Mesclando notáveis shows de invenção (TV on the Radio) e diversão (Foster the People), de radicalidade política (Racionais e Gogol Bordello) e descompromisso garageiro (Cage the Elephant, Band of Horses), o Lollapalooza Festival foi aprovado com louvor em seu batismo brasileiro. “Lollapalooza São Paulo foi um arraso!”, entusiasmou-se o guitarrista Dave Navarro, do grupo Jane’s Addiction. “O Lollapalooza em Chicago é legal, mas eu prefiro aqui”, afirmou Eugene Hutz, vocalista do Gogol Bordello.

Não foi tanto pelo sucesso comercial (135 mil pessoas no Jockey Club, cerca de 15 milhões vendo pela televisão) que o Lolla emplacou. Foi uma combinação de fatores: uma locação de fácil acesso e com um visual privilegiado, a facilidade para a circulação de público, a civilidade no trato com gente com necessidades especiais, crianças e serviços, entre outros acertos.

Claro, houve (como sempre) filas homéricas para compras de lanches, água e cervejas, mas havia banheiros em quantidade suficiente, e o Houve ainda problemas de falsificação de ingressos, algo que não é de responsabilidade da organização. Mas que pode ser prevenido, com uma campanha de orientação. No sábado, a reportagem do Estado presenciou a prisão de dois homens que vendiam ingressos idênticos aos originais. Um deles tinha vendido oito entradas falsas.

(Foto: FILIPE ARAUJO/AE)

Leonardo Ganem, da Geo Eventos, partner de Perry Farrell (o criador e organizador do festival), confirmou com seu parceiro a edição 2013, anteontem. E Farrell já anunciou que vai levar a banda brasileira O Rappa para apresentar-se na edição americana do evento. “Para mim, eles me lembram grupos como o Public Enemy, com uma atitude que tem tudo a ver com o Lollapalooza”, afirmou Farrell, em entrevista ao canal Multishow.

“Eu me deparei com a palavra Lollapalooza, que significa: 1) algo ou alguém excepcional; 2) um pirulito gigante em espiral”, dizia Perry Farrell, no vídeo exibido exaustivamente na abertura dos shows. Tudo bem, mas faltou algum veterano excepcional, mais encorpado, no programa. Joan Jett foi bacaninha, mas e que tal se fosse um Black Sabbath? Delírio? Pois bem, parece que a lendária banda foi confirmada para o Lollapalooza Chicago, em agosto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.