Lobão ressurge a mil em autobiografia

Estadão

01 de dezembro de 2010 | 16h23

Marcelo Moreira

O cantor, guitarrista e ocasionalmente baterista Lobão tem uma vocação imensa para causar polêmica e falar demais, asim como ir e voltar ao inferno algumas vezes. Portanto, é mais do que óbvio que um personagem importante como ele dentrro do rock brasileiro lançasse a sua autobiografia, que deve chegar às livrarias neste mês de dezembro.

Muito mais pop do que rock, fora dos palcos o músico foi o mais interessante daquela geração, ao lado do bom cantor e letrista Cazuza (ex-Barão Vermelho), seu amigo morto em  1990.  Compôs muitas músicas, só que teve menos hits do que merecia, em um mercado dominado pela mediocridade.

Por conta disso, nunca pensou duas vezes antes de espinafrar amigos e inimigos, “patrões” e empresários. Pagou caro por isso: foi boicotado, ignorado, escanteaado e às turras com amigos, ex-amigos e parentes.

Beirou o ostracismo algumas vezes, tentou revolucionar o mercado fonográfico ao tentar impulsionar sua carreira musical por conta de uma revista onde encartava os seus CDs independentes, mas o que conseguiu foi a indiferença do mercado, o abandono dos amigos e a fuga de uma parcela dos fãs.

Morando há três anos em São Paulo, Lobão está mais centrado aos 53 anos, e aposta no reerguimento de sua carreira com “50 anos a Mil”, a autobiografia, e “Lobão 81/91”, caixa com três CDs da Sony Music repassando aquele período de sua carreira.

Falar em integridade no meio artístico soa como clichê dos mais batidos. Mas, se Lobão não foi ou não é um artista íntegro, seja lá o que isto signifique neste contexto, com certeza é um músico honesto – embora nem sempre coerente e muitas vezes errático.

No entanto, poucos foram tão críticos quanto ele, não só em relação ao mercado fonográfico, mas também em relação à política e à sociedade carioca de classe média, talvez a mais hipócrita de todas. Quem conhece Lobão garante que o livro será tão saboroso quanto a biografia de Tim Maia, mesmo sem o bom texto do jornalista Nelson Motta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: