Live'n'Louder resgata os festivais de rock no Brasil

Estadão

12 de abril de 2013 | 21h00

Marcelo Moreira

Um ano após o fracasso do Metal Open Air, em São Luís (MA), eis que os produtores nacionais resgatam a credibilidade e ressurgem com um festival de peso. Para quem imaginava que o cenário nacional levaria anos para se recuperar dos problemas em terras maranhenses, é esperançoso ver que um grande evento ainda pode organizado de forma profissional no Brasil

Tudo bem que foi preciso um empresário de peso para realizar o Live’n’Louder, marca poderosa se tornou sinônimo de festival de heavy metal no Brasil na primeira década do século XXI. Paulo Baron é o proprietário da Top Link, que resolveu comemorar seus 25 anos de atividade com mais uma edição de seu grande evento. Será o primeiro do gênero depois do desastre maranhense.

Em vez de um estádio, agora o Live’n’Louder será realizado no próximo domingo em um espaço menor, mais adequado à realidade da economia atual – e é difícil não imaginar que os reflexos do fracasso do Metal Open Air não foram sentidos. Será a primeira parte do evento, com a segunda prometida para o segundo semestre.

O Espaço das Américas, em São Paulo, tem servido de alternativa para eventos culturais de grande porte, como o recente show de Robert Plant e várias apresentações de duplas sertanejas famosas. É um espaço amplo originalmente erguido para abrigar exposições e feiras, mas que comporta muito bem um público que pode ultrapassar 7 mil ou 8 mil pessoas.

A escalação do festival é outro ponto positivo do Live’n’Louder. Nada de megalomania em um ano que já teve Lollapalooza com Pearl Jam e que terá Paul McCartney em várias cidades e um Rock in Rio com os gigantes Iron Maiden e Metallica. A aposta certeira foi no heavy metal dos anos 80, quer ainda movimenta grandes plateias na América Latina.

A grande atração é o Twisted Sister, talvez a primeira grande banda de hard rock dos Estados Unidos. a banda do vocalista Dee Snider abdicou de gravar novos álbuns desde que voltou para valer, na década passada. Perfeita no palco e  com uma energia incomum para músicos que já beiram os 60 anos de idade, a banda fechará o festival e promete não mudar muito a lista de músicas que executou em sua primeira passagem pelo Brasil, dois anos atrás.  “The Price”, “I Wanna Rock”, “We’re Not Gonna Take It”… a lista de hits é grande.

Três nomes importantes da cena oitentista tocam pela primeira vez no país. O Metal Church, contemporâneo de Metallica, Exodus e outras bandas do thrash de San Francisco, anunciou no ano passado mais um retorno, desta vez com a presença do líder e guitarrista Kurdt Vanderhoof. Único integrante da formação original, ele sobre de fortes dores nas costas há anos, mas garantiu que está em forma tocar em São Paulo. Os grandes hits da banda são “The Dark” e “Watch the Children Pray”.

A banda Loudness carrega ainda o título de banda de rock mais importante do cenário japonês. Foi a única de seu país a conseguir sucesso consistente no exterior por muito tempo, mesmo com interrupções em sua trajetória e a morte do baterista Munetaka Higushi, em 2008, substituído desde então por Masayuki Suzuki.

O grupo está mais pesado e direto depois que completou três décadas de existência, abandonando recentes experiências sonoras para deixar o som mais “moderno”. O grande motor é o guitarrista Akira Takasaki, elogiado por ninguém menos do que Michael Schenker (ex-UFO e Scorpions).

O Molly Hatchet pode ser considerado um carro fora da pista. Mais velha de todas as bandas, prestes a completar 40 anos de fundação, tem suas raízes no southern rock, embora tenha uma sonoridade mais hard, mais pesada do que os conterrâneos .38 Special e Lynyrd Skynyrd. Já definiram a banda como o ZZ Top do metal, o que é evidentemente um exagero, mas seu som energético costuma agradar uma variedade grande de plateias.

O representante europeu do festival é o tradicional Sodom, legítimo representante do thrash metal alemão e que ampliou a comemoração dos seus 30 anos de carreira em uma interminável turnê. O trio de Tom Angelripper não é um frequentador assíduo dos palcos brasileiros coo o Grave Digger, o que torna a sua apresentação muito esperada.

A única banda brasileira do evento é aquela que, ironicamente, dentro do heavy nacional, a que mais tem passado por problemas dentro e fora do palco. Após a problemática apresentação no Rock in Rio 2011, a banda fez uma pausa para “ajustes internos”, mas acabou perdendo o vocalista Edu Falaschi no começo do ano passado. Desde então tenta juntar os pedaços e conseguiu se reagrupar no final do ano passado.

Para os shows marcados para este ano convidou o cantor italiano Fabio Lione (Vision Divine), que teve atuações elogiadas no 70.000 Tons of Metal, festival realizado em um transatlântico durante viagem no Caribe. Ele não será efetivado e deixou claro que está apenas ajudando a banda brasileira, embora esteja gostando bastante da experiência. O Angra ainda não decidiu quem vai substituir Falaschi de forma definitiva.

A nova edição do Live’n’Louder é talvez a melhor notícia que o mundo brasileiro do rock poderia receber, mais até do que o Rock in Rio deste ano abrindo um pouco mais de espaço para bandas brasileiras. Mostra que o desastre do Metal Open Air está sendo superado e que existe seriedade e comprometimento entre os promotores brasileiros de show, assim como competência. O desafio agora fazer com que ele volte ser constante, de preferência anual, e que se torne um evento imperdível na agenda de shows da cidade de São Paulo.

 

LIVE N’ LOUDER ROCK FESTIVAL PARTE 1
Local: Espaço das Américas
Endereço: R. Tagipuru, 795, Barra Funda – São Paulo, 01156-000
Data: 14/04/2013, domingo
Horário de início do show: 17h40
Duração: 6h00 (aproximadamente)
Abertura da casa: 16h
Informações e compra de ingressos:
Bilheteria:
Camarote Limitado R$ 500,00 – meia entrada R$ 250,00
Pista 1º Lote R$ 300,00 – meia entrada R$ 150,00
Bilheteria oficial SEM taxa de conveniência:
Espaço das Américas: Rua Tagipuru, 795 – Barra Funda
Funcionamento: de segunda a quarta (das 10h00 às 19h00), e de quinta a sábado (das 11h00 às 19h00).
Formas de Pagamento: cartões de crédito, débito e dinheiro
Vendas Online: www.ticket360.com.br
Call center Ticket360: (11) 2027-0777
Estacionamento: anexo ao local
Área para fumante: sim
Acesso para deficientes: sim
Estacionamento no local: sim
Censura: 18 anos

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: