Jazz metal ressalta a música pesada instrumental

Estadão

24 de novembro de 2011 | 06h56

Marcelo Moreira

Ouvindo recentemente uma rádio norte-americana de classic rock, escutei uma expressão que soou totalmente estranha: jazz metal. Depois de uns 15 minutos é que pude entender o que seria esse “novo” subgênero do heavy metal. E só entendi graças a um guitarrista chamado Tosin Abasi, um demônio das seis cordas que lidera o maravilhoso grupo de rock pesado instrumental Animal As Leaders.

Pesquisando mais um pouco, não foi difícil encontrar mais duas excelentes bandas do mesmo estilo, fazendo música pesada e veloz, mas com muita inteligência e competência: Cloudkicker e Blotted Science.

Qual a diferença entre o som dessas bandas e o instrumental feito por gente como Tony MacAlpine, Joe Satriani, Steve Vai, Jason Becker e muitos heróis da guitarra que se dedicam ao shred e variações diversas?

É que nas banda de jazz metal os músicos pensam, executam e inventam juntos, caminham sempre na mesma direção. O som é orientado para o todo, mesmo em jams sessions, o que não ocorre com os guitarristas citados – todos eles fazendo questão de deixar a guitarra em primeiro plano, é óbvio, ou seja, todo o som é orientado tão somente para a guitarra.

Animal As Leaders em ação; Tosin Abasi está à direita

A principal banda de jazz metal é o Animal As Leaders, que lançou um ótimo álbum em 2009 autointitulado e no mês passado colocou no mercado “Weightless”, que é ainda melhor. O trio é de Washington D.C., Estados Unidos, e foi formado em 2007 pelo mago Tosin Abasi.

A facilidade com que o guitarrista consegue transitar rapidamente por sons densos e pesados para fraseados limpos e intrincados é de deixar qualquer um estupefato. Em muitas passagens, faz ao mesmo tempo base e solo, criando uma textura sonora que é praticamente inimitável.

Atualmente é a sensação da turnê que realiza com a banda Between Buried and Me, um nome emergente do metal progressivo e experimental. Abrindo os shows, o Animal As Leaders tem agradado bastante à crítica e ofuscando em alguns shows a banda principal.

 

Blotted Science

O texano Blotted Science também é um trio. Não é tão virtuoso como o Animal As Leaders, mas é consegue ser mais pesado em muitos momentos. O som é mais encorpado, sombrio e com mais experimentalismo. O último trabalho é “The Animation Of Entomology”, um EP recém-lançado, mas o trabalho mais interessante é “The Machinations of Dementia”, de 2007.

O Cloudkicker é um projeto de um home só, Ben Sharp, músico conceituado nos Estados Unidos. Tecnicamente é um prog metal que na maioria das vezes cai na praia do ótimo Meshuggah. Seu s primeiros trabalhos abusavam do peso e da distorção típicos do death metal.

Entretanto, o som amansou um pouco, principalmente nos dois EPs recém-lançados, “Loop” e “ Let Yourself Be Huge”, que contém passagens acústicas e solos inspirados de violão, além de partes experimentais com alguns baurlhos eletrônicos e sons esquisitos. Os melhores trabalhos são os dois primeiros, “The Discovery”, de 2008, e “A New Heavenly Body”, de 2010.

O interessante nas três bandas é o extremo cuidado com as composições e gravações e o mérito de terem conseguido fazer som instrumental pesado sem ser maçante ou repetitivo. O jazz metal não deixa de ser uma novidade em um mundo musical que parece pasteurizado e com pouca coisa digna de nota.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: