Jamiroquai ainda tem lenha pra queimar

Estadão

30 de setembro de 2011 | 16h08

 

Jotabê Medeiros

Jay Kay conseguiu de novo. Do pop que se apresentou no Palco Mundo até agora, o seu é um dos mais sofisticados – funk, acid jazz, música de improvisação coletiva e uma pulsão dançante que foge do óbvio (ao contrário da colega Kesha, que subiu antes dele ao palco, uma versão glitter de Britney). O vocalista, band leader, MC, dançarino e ególatra-rotativo do Jamiroquai parecia ter esgotado sua capacidade de se reinventar, mas o show dele foi de grande combustão.

Abrindo com Rock Dust Light Star, do seu disco mais recente, de 2010, e seguindo adiante com Main Vein (de A Funk Odissey, de 2001), Cosmic Girl (single de 1997) e High Times (emprestada da essência dos singles do Jamiroqui, de 1992 a 1996), Jay Kay foi mostrando que dá para fazer festa sem abrir mão da versatilidade. Seu vocal, derivado do de Stevie Wonder, fez dançar os anos 90 com a pulsão da mais moderna música de festa. Essa mistura mostrou que ainda tem lenha pra queimar na noite de hoje.

Tudo o que sabemos sobre:

JamiroquaiRocj in Rio 2011Rock in Rio 4

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: