Isle of Wight, o Woodstock europeu, completa 40 anos

Estadão

17 de setembro de 2010 | 16h30

Marcelo Moreira

O Woodstock europeu. Assim o Isle of Wight Festival, em suas edições de 1968 a 70, sempre foi tratado ao longos dos anos, amargando a comparação com evento norte-americano que virou símbolo de uma geração. A questão é que Wight, em termos artísticos, foi muito superior a Woodstock 1969, em especial a de 1970, considerada a melhor.

Não foi à toa que o evento daquele ano ganhou um álbum duplo com as melhores performances, e que deve ser reeditado até o final do ano para marcar os 40 anos daquela que é considerada a melhor edição.

"Message of Love - The Isle of Wight Festival 1970"

Wight é uma ilha do canal da Mancha, ao sul das ilhas britânicas. Seu primeiro festival de verão de música popular, em 1968, não chamou muito a atenção, e teve como principais artistas promessas da música inglesa da época, como Arthur Brown, The Move, Tyrannosaurus Rex, Plastic Penny e Pretty Things, com o Jefferson Airplane como atração principal, já caminhando para a dissolução.

Tudo mudou em 1969, quando houve mais investimento e desdobramento em dois dias. O elenco teve como artistas principaius nada menos do que The Who, Bob Dylan, The Nice (primeira banda de Keith Emerson, do Emerson, Lake and Palmer) e Pretty Things.

"The Who Live at the Isle of Wight Festival 1970"

Com o sucesso, a ambição cresceu e em 1970 houve uma constelação de astros tocando em quatro dias, atraindo mais de 600 mil pessoas. Estavam lá The Who, Jimi Hendrix, Jethro Tull, The Doors, Miles Davis, Free, Emerson, Lake and Palmer, Ten Years After, Moody Blues, Bob Dylan e muitos outros. Sua organização foi muito superior à de Woodstock, assim como a captação de som para eventuais álbuns e vídeos.

"Blue Wild Angels - Jimi Hendrix Live at the Isle of Wight Festival 1970"

Para os artistas em si foi tão importante que pelos menos cinco lançaram álbuns ao vivo com as gravações dos shows realizados em Wight em 1970 – The Who, Emerson Lake and Palmer, Jimi Hendrix, Jethro Tull e Taste (banda de Rory Gallagher).

Apesar do sucesso imenso, os promotores foram surpreendidos em 1971 com o “Isle of Wight Act”, editado pelo Parlamento, determinando que qualquer evento que reunisse na ilha mais de 5 mil pessoas precisaria de uma licença especial, com o objetivo de proteger o meio ambiente e o patrimônio histórico. A lei matou o festival, que só retornou em 2002, em configurações bem menores, e é realizado anualmente.

Melhor do que Woodstock, “Message of Love – Isle of Weight 1970” é um CD duplo com o que de melhor se produzia na música naquela época – pena que Rolling Stones, Led Zeppelin e The Faces não aceitaram tocar. Vale o investimento.
 

"Nothing is Easy - Jethro Tull Live at the Isle of Wight Festival 1970"

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.