Iron Maiden pode ser banido do Rock in Rio por divulgar cerveja própria

Estadão

25 Setembro 2013 | 16h59

Pedro Zambarda de Araújo – do site Whiplash

Imagem

O frontman Bruce Dickinson, nesta madrugada, próximo das 2h da manhã, foi pegar uma cerveja no final da apresentação do Iron Maiden no Rock in Rio. A marca era The Trooper, a bebida customizada da banda, e não uma Heineken, que era a patrocinadora oficial do evento. O cantor logo em seguida falou: “A cerveja servida aqui é tão ruim que tive que trazer a minha”.

A brincadeira de Bruce pode causar um problema com a publicidade do Rock in Rio. Segundo o site Adnews, a Heineken investiu R$ 23 milhões em patrocínio, ações de trade e inserções de mídia no festival, o que pode ser um dos seus maiores investimentos no ano. Se a marca continuar anunciando no Rock in Rio, um desaforo vindo do cantor do Maiden pode causar um afastamento da banda nas próximas edições do festival.

O crítico Marcelo Soares, no jornal Folha de S. Paulo, também lembrou que o Iron Maiden não fez a propaganda da cerveja por acaso. A Donzela de Ferro se transformou em uma banda com um forte apelo de negócio, com muito comércio de camisetas e produtos customizados. O Iron Maiden, de uma certa forma, segue a cartilha de roqueiros consagrados como Rolling Stones, Kiss, Metallica, o AC/DC e o U2. O Whitesnake, outro grande símbolo do hard rock, tinha sua própria marca de vinho. O Motörhead concorre com o Maiden no ramo de cervejas.

Atualmente, muitas bandas recorrem aos produtos de outros ramos com suas marcas para se capitalizar. Esse processo é descrito por Chris Anderson, ex-editor-chefe da revista Wired, no livro ¨Free – o futuro dos preços¨. É um claro sinal que os grupos musicais não conseguem se sustentar apenas com a venda de discos. Por isso, turnês e produtos diferenciados ajudam a sustentar a empresa.