Heavy metal em alto mar

Estadão

23 de janeiro de 2011 | 15h26

Marcelo Moreira

O cantor brega-romântico Roberto Carlos está fazendo escola nos Estados Unidos. Imagine 2 mil malucos confinados dentro de um transatlântico por quatro dias ouvindo heavy metal e assistindo a shows de 40 das bandas mais pesadas que existem.

 Essa loucura existe, e custa no mínimo US$ 1.000 (R$ 1,75 mil) para participar de uma viagem no Caribe. Ou R$ 900 para fazer uma viagem parecida pela águas brasileiras, um pouco depois.

O evento no Caribe chama-se “70000 tons of Heavy Metal”, ou Cruzeiro do Metal para os brasileiros. Criado por produtores canadenses, a ideia é colocar 2 mil fãs dentro de um luxuoso transatlântico, que parte de Miami, na Flórida, no dia 24 de janeiro de 2011, passa por Cozumel, no México, e retorna no dia 28 a Miami.

No Brasil, o Cruzeiro do Metal recebeu o nome de Intitulado “Motorcycle Rock Cruise” , a ser realizado no transatlântico CVC Zenith, que sairá de Santos em 30 de janeiro de 2011. Em vez de 40 atrações, apenas duas: Sepultura e Big Noize – supergrupo formado por  Joe Lynn Turner (ex-Rainbow e Deep Purple), Carlos Cavazo (ex-Quit Riot), Phil Sousan e Vinnie Appice (ex-Dio e Black Sabbath)  –  tocando versões de clássicos do rock.

Não há nada mais anti-climático e fora da realidade do rock do que um cruzeiro pelo Caribe, por mais que a trilha sonora seja a mais pesada possível. Aliás, não há nada mais distante dos fãs de metal do que um evento que pode custar até US$ 4 mil (R$ 7 mil) por quatro dias de diversão, no caso do cruzeiro criado pelos canadenses. Nem mesmo os insuportáveis e péssimos cruzeiros tendo a péssima trilha de Roberto Carlos custa tão caro.

Os valores incluem refeições nos salões do navio, além de serviço de quarto, bebidas sem gás (chá, sucos, café) e acesso às instalações do navio como piscinas, academias, etc), e acesso às apresentações, que ocorrerão em pelo menos três palcos..

Promovido pela Ultimate Cruises, empresa sediada em Vancouver, no Canadá, o evento ocorrerá em um transatlântico de grande porte, o Majesty of the Seas, da empresa multinacional Royal Caribbean. O navio tem 12 andares e 70 mil toneladas.

Apesar do evento ser inusitado e estar a anos-luz do bolso dos metaleiros tradicionais, o elenco convocado para passear de barquinho e tocar no Caribe é de primeira qualidade e tem barulho bom para todos os gostos – vai do heavy tradicional ao speedy metal, do thrash ao death metal, do doom ao splatter metal.

O classic rock está representado pelo maravilhoso guitarrista alemão Uli Jon Roth (ex-Scorpions) e pela banda inflesa Trouble. O death metal tem os suecos do Amon Amarth e do Dark Tranquility e dos americanos do Obituary.

O thrash metal terá os alemães do Sodom, os norte-americanos do Testament, do Exodus, do Forbidden, do Death Angel, dos canadenses do Voivod. O heavy metal mais moderno comparece com os norte-americanos do Nevermore e do Fear Factory.

O power metal tem duas bandas finlandesas, o Stratovarius e o Sonata Arctica, e os alemães do Rage e do Blind Guardian. Outra banda finlandesa, o Finntrol, representa o viking/folk metal. 

A atração principal, no entanto, é um ícone da New Wave of British Heavy Metal, os ingleses do Saxon, que comemoram 35 anos de carreira e que devem fazer o costumeiro show de três horas. Paul Byff Byfford, o vocalista da banda, afirmou ao site Blabbermouth que o Cruzeiro do Metal certamente será a experiência mais inusitada em suas três décadas de rock.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: