Fila e sol no primeiro dia do Lollapalooza

Estadão

08 de abril de 2012 | 16h15

FELIPE BRANCO CRUZ E PEDRO ANTUNES

Não foi nada fácil a vida das 70 mil pessoas que esgotaram o primeiro dia de ingressos do festival Lollapalooza, no Jockey Club de São Paulo, no Morumbi, na tarde e noite deste sábado, 7. Debaixo de um sol escaldante, o público enfrentou longas filas e falta de instruções dos funcionários desde o meio-dia, quando os portões da arena montada na zona sul foi aberta.

O staff do festival, mal instruído, fez o público caminhar sem direção, até que fosse encontrado o ponto de troca de ingressos e o portão de entrada. Dentro do Jockey, mais filas, e o sol não dava trégua. A chuva, prevista para o fim de tarde não veio. E seria bem-vinda naquele calor de 28 graus, com pouco (ou nenhum) vento.

A grande atração da noite foi o Foo Fighters, banda liderada pelo ex-baterista do Nirvana Dave Grohl. Antecedida pela garota de má reputação Joan Jett e sua banda The Blackhearts. Desde às 15h na grade do palco Cidade Jardim, o casal Douglas Piovesani e Bruna Beckhauser, ambos de 21 anos e fãs de Grohl e companhia, tentavam suportar o calor. Vindos de Foz do Iguaçu (PR), os dois chegaram em São Paulo na quinta-feira.

Além de passear pela capital paulista (foram ao Parque Ibirapuera e Avenida Paulista), Douglas e Bruna fizeram o percurso da Estação Saúde até o Butantã, a 2 km do portão 6. Tudo para guardar lugar em que será possível ver as gotas de suor de Grohl. “Eu adoro a banda. Até arrastei o namorado”, afirmou Bruna, enquanto Douglas ressalta que gosta muito mais de reggae e ska, de bandas como Sublime. “Ficamos uma hora para tentar encontrar o portão certo”, disse Douglas.

As filas acompanharam quem já estava dentro do Jockey Club de São Paulo. Enquanto a vigorosa banda Cage the Elephant destruía tudo no palco Butantã, outro casal, Rafael Pereira, de 24 anos, e Vanessa Salvador, de 21, ambos estudantes de Administração de Porto Alegre (RS), esperavam para conseguir comprar as fichas para adquirir comes e bebes.

Os preços variavam de R$ 4 (água) a R$ 8 (cerveja, cachorro-quente e hambúrguer congelado). Uma hora e meia depois de chegarem, às 17h45, eles ainda estavam longe dos guichês do caixa. “Eu não consegui ver banda nenhuma. Até gosto de outras, que não o Foo Fighters, como Band Of Horses, mas isso aqui está impossível”, afirmou Rafael.

Ainda assim, as atrações do primeiro dia do festival Lollapalooza, cujos 70 mil ingressos esgotaram em questões de dias, – muito por causa da volta do Foo Fighters, que não pisava no Brasil desde o Rock In Rio de 2001 – não pareceram se incomodar com o calor. Marcelo Nova, da banda Camisa de Vênus, e Wander Wildner fizeram boas apresentações nas primeiras horas de festival.

Enquanto os cariocas do Rappa, com mais público, levantaram os presentes com seus hits como Reza Vela e O Salto. Se o show deles não traz nenhuma surpresa, pelo menos agradou os presentes no festival. Coisa que a banda indie Tv On The Radio, que tocou às 18h, não conseguiu.

Os fãs do grupo Foo Fighters que aguardaram ansiosos por seu show, marcado para às 20h, no Palco Cidade Jardim, ainda precisaram conviver com um desagradável cheiro de estrume de cavalo. Mas se eles passaram pelo calor e pelas filas, não seria o mal cheiro que iria desanimá-los.

Tudo o que sabemos sobre:

Lollapalooza

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.