Elvis Costello mantém a boa qualidade

Estadão

14 de outubro de 2010 | 16h37

Marcelo Moreira

Declan MacManus é um artista íntegro. É da mesma estirpe de gente com Bruce Springsteen, Bob Dylan e Eric Clapton, por exemplo. Preza pela qualidade de seu trabalho, não tem medo de ousar e experimenta em várias vertentes. Erra bastante, mas acerta muito mais.

Com o codinome de Elvis Costello, esse cantor e guitarrista inglês fez nome no rock alternativo britânico quando a moda era o punk rock. Seu prestígio aumentou nos anso 80 com trabalhos pop consistentes e letras de qualidade, o que lhe permitiu tentar novos voos.

O ecletismo e a versatilidade do músico que já foi parceiro de Paul McCartney pode ser visto em seu mais novo trabalho, “National Ramson”, recém-lançado. É um álbum honesto e bem concebido, onde sobram inteligência e bom gosto. Não é o seu melhor trabalho, mas é de alto nível.

As letras são melancólicas, mas não pessimistas. Trata de forma madura e pragmática  os tempos de crise econômica vividos pela Europa desde 2008. Na divulgação do CD, em alguns jornais europeus, Costello afirmou com uma simplicidade desconcertante: “Estas são músicas para os tempos de bancarrota, sejam eles quais forem”.

O novo disco foi produzido por T Bone Burnett e conta com as colaborações de membros dos Imposters e dos Sugarcanes, e ainda os convidados Vince Gill, Marc Ribot, Buddy Miller e Leon Russell. O álbum foi gravado durante onze dias em Nashville e Los Angeles, nos Estados Unidos.

A importância e o respeito que Elvis Costello conquistou podem ser medido por alguns dos trabalhos que lançou em 33 anos de carreira. A parceria com Paul McCartney foi longa. Eles compuseram diversas canções juntos, incluindo “Veronica” e “Pads, Paws and Claws” do álbum “Spike” (1989, disco que também contém” God’s Comic”) e “So Like Candy” e “Playboy to a Man” de Mighty Like A Rose (1991), ambos álbuns de Costello.

Para trabalhos do ex-Beatle compuseram  “My Brave Face”, “Don’t Be Careless Love”, “That Day Is Done” e “You Want Her Too”, de Flowers in the Dirt, “Back On My Feet” (Lado B do single Once Upon A Long Ago) e “The Lovers The Never Were” e “Mistress and Maid” de Off The Ground.

Em 1993, partiu para a música erudita, com o álbum “The Juliet Letters”, em parceria com Brodsky Quartet, nome importante dá cena clássica europeia. Voltou ao rock no ano seguinte, para trilhar em 1996 o cancioneiro norte-americano em parceria com Burt Bacharah, em trilhas de filmes e no álbum “Painted From Memory”, lançado dois anos depois. Nos anos 2000, continuou produzindo álbuns próprios com a colaboração de bandas como Sugarcane e Imposters. 

Lista de músicas:

 

1. National Ransom
2. Jimmie Standing in the Rain
3. Stations of the Cross
4. A Slow Drag With Josephine
5. Five Small Words
6. Church Underground
7. You Hung the Moon
8. Bullets for the New-Born King
9. I Lost You
10. Dr Watson, I Presume
11. One Bell Ringing
12. The Spell That You Cast
13. That’s Not The Part of Him You’re Leaving
14. My Lovely Jezebel
15. All These Strangers
16. A Voice In The Dark

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: