Edu Falaschi, do Angra, rebate críticas e diz que saúde é 'prioridade'

Estadão

29 de setembro de 2011 | 17h10

Enquanto o Angra se explicava a respeito dos problemas técnicos e da apresentação criticada no Rock in Rio 2011, reafirmando que sofreu com as péssimas condições técnicas no palco Sunset – e sem tocar na questão dos baotos de separação -, o vocalista Edu Falaschi, por sua vez, também decidiu rebater por meio de nota oficial as críticas que recebeu pelo show no festival.

Obviamente prejudicado por questões técnicas, Falaschi não tem como negar que desafinou em alguns momentos e que esteve fora do tom, basicamente por falta de retorno, ou seja, ele praticamente não se ouvia e e não ouvia o que a banda tocava.

Também de forma corajosa, decidiu explicitar os problemas que enfrentou no show e, surpreendentemente, fez uma crítica ao próprio Angra, ao reclamar que teve de fugir às suas características pessoais e profissionais para se adpatar ao estilo do Angra. Por isso, decidiu que, a partir de agora, “sua saúde será a sua prioridade” e que só cantará “no Angra e no Almah (sua banda solo) se os trabalhos não prejudicarem sua voz e sua saúde.” Entretanto, não cravou se sai ou não do Angra, apenas deixou no ar que haverá condições para que retome a sua carreira. Leia a nota:

Caros amigos,

Finalmente, eu gostaria de esclarecer alguns fatos em relação a minha voz com toda a sinceridade, humildade e integridade que eu possa ter.

Por mais de 20 anos eu trabalhei sem um dia de descanso dentro do Heavy Metal, do qual todos sabem do grau de dificuldade e das exigências técnicas do estilo. Ao entrar no Angra tive ainda que me adequar a uma forma de cantar particularmente aguda e totalmente fora da minha tessitura, e da grande maioria dos cantores! Na época, assumi a bronca e encarei toda a pressão. Porém, há 10 anos era bem mais fácil devido ao fator físico, empolgação e idade. Fui ano após ano sentindo, progressivamente, as dificuldades de se cantar algo tão agudo e fora da minha característica natural. Lutei até o fim! Fiz o possível e o impossível para continuar a cantar bem as músicas do Angra, principalmente as mais antigas, sempre em tons altos, pois o público do Metal Melódico sempre “exigiu” isso de nós cantores. Mas infelizmente, hoje, mais velho e mais experiente, devo assumir que não estou mais apto a cantar tão agudo.

Estou extremamente cansado e sentindo o peso de tudo isso na minha própria voz, inclusive na região que sempre foi o meu forte! Sou um cantor barítono que domina a região dos médios, graves, drives e o canto com voz de peito com conotação mais agressiva, assim como eu fazia no Symbols e faço no Almah atualmente. Conquistei muitas coisas e construí grande parte da minha história vitoriosa com meu próprio perfil, que é o meu forte!

Enfim, tomei uma decisão, pensando única e exclusivamente na saúde da minha voz e na integridade da minha carreira, que construí com tanta luta e dedicação. Após cumprir todas as atividades de divulgação do “Motion”, pré-agendadas até o fim do ano, vou parar por tempo indeterminado para finalmente descansar, e poder tratar definitivamente da minha saúde. Mas devo já salientar que, a partir de hoje, só vou cantar o que estiver dentro da minha tessitura natural, seja no Angra ou em qualquer outra banda, para o meu próprio bem! Quero voltar a ser o que eu realmente sou, em vez de ser o que as pessoas desejam que eu seja! Nesse meio tempo, vou seguir com minhas atividades como produtor e compositor, que são coisas que amo fazer, e que não atrapalharão em nada o progresso da minha recuperação.

Muito obrigado do fundo do meu coração a todos os fãs que sempre me apoiaram e incondicionalmente me defendem! Farei sempre o meu melhor cantando e compondo por vocês e pela boa música, com toda minha verdade e emoção! Eis o primeiro passo de uma nova fase na minha vida! Tenho confiança no futuro, e serei sempre um apaixonado pelo estilo musical mais foda do mundo, o Heavy Metal!”

EDU FALASCHI

Tudo o que sabemos sobre:

AngraEdu FalaschiRock in Rio 2011

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: