Gastar pela internet é tão fácil…

Estadão

06 de janeiro de 2012 | 17h00

Daniel Fernandes

Bom dia, boa tarde e boa noite. Volto a freqüentar este espaço em 2012 para atender a um pedido do meu amigo Marcelo Moreira. Devo dizer, desde as primeiras linhas deste texto meio torto, que estou pouco me importando com as opiniões da nossa audiência (sempre tão fofa!) e dos meus companheiros de blog (igualmente sofisticados). Um desses amigos, aliás, teve a coragem de me perguntar se em 2012 eu continuaria a escutar o mesmo tipo de música.

Precisa responder? É CLARO! Muitas horas de Lemonheads, Nirvana, Pearl Jam, The Cure, Smiths……….

Mas este post é para dizer que, queridos roqueiros de meia pataca, eu vou decretar falência. FALÊNCIA!

Explico. Desde que inventaram o tal do iTunes em português que aceita cartão de crédito Made in Brazil, eu ando gastando mais do que gostaria na maquininha. Primeiro porque é muito fácil (até a minha pequena Julia, de dois anos, consegue operar o sistema…….hum, pensando bem, você consegue Marcelo Moreira?). Bem, parece fácil e atraente para a maioria dos seres humanos. E tem MUITA coisa lá. Inclusive coisas que estão fora de catálogo nas lojas. E aí, já viu.

Nos últimos dois dias, comprei:

– All Things Must Pass (George Harrison) – 10,99 dólares

– Part Lies, Part Hearth, Part Truth, Part Garbage (R.E.M.) – 16,99 dólares

– A trilha sonora do filme de 20 anos do Pearl Jam – 19,99 dólares

– O álbum Creator do Lemonheads – 9,99 dólares – falei que tinha coisa fora do catálogo

– O bom disco do Criolo (Nó na Orelha) – por 9,99 dólares

– E um The Very Best do Deep Purple por menos de 5 dólares.

PERAÍ……..

……….peraí um instante….

………Deep Purple? POR QUE EU FIZ ISSO? Eu nem gosto deles. Porque comprei isso? Acho que é tão fácil que nem me incomodo de comprar coisas, digamos, chatas pra cacete (quer o disco, Roberto Capisano?).

E se a operadora de cartão de crédito deixar, ainda pretendo adquirir outros álbuns interessantes. Mas desconfio que nem vai adiantar eu perder tempo elaborando uma lista. Melhor guardar o cartão no fundo da gaveta e bloquear a minha própria rede wifi.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.