Dorsal Atlântica está de volta

Estadão

07 de maio de 2012 | 14h00

Marcelo Moreira

No terreno dos retornos improváveis de bandas nacionais, o Dorsal Atlântica ganhou do Viper. Enquanto o quinteto paulistano conseguiu a proeza de convencer o vocalista André Matos (ex-Angra e Shaman) a fazer uma turnê de comemoração de 25 anos do lançamento do primeiro álbum (“Soldiers of Sunrise”), o trio carioca surpreendeu a todos com a notícia de que gravaria um CD com a formação original, separada desde 1990.

A alma e o coração do Dorsal Atlântica é o guitarrista e vocalista Carlos Lopes, outrora Carlos Vândalo. Também jornalista, é um dos artistas mais combativos e prolíficos, dividindo sua atenção também com a banda de rock/funk Mustang. É considerado o criador do conceito de música extrema no Brasil, bem antes do surgimento do Sepultura, nos anos 80. Ao lado da banda paraense Stress, também fundada em 1981, é a pioneira do heavy metasl no BRasil.

A volta do trio com sua formação original, que inclui Cláudio Lopes no baixo (irmão de Carlos) e o baterista Hardcore, surpreende também porque por diversas vezes o guitarrista e líder rechaçou a ressurreição do Dorsal, desativado desde 2005. Não bastasse isso, declarou por algumas vezes que, para ele, o heavy metal estava morto, provocando a fúria de vários fãs.

Diante da relevância da banda e de seu líder para o rock no Brasil, recomendamos a leitura da entrevista de Carlos Lopes ao site da revista Roadie Crew, a melhor do país no segmento rock. Ainda que o músico mantenha certa pose e uma postura arrogante em algumas respostas, ele sempre tem alguma coisa interessante para dizer.

Clique aqui para ler a entrevista no site da revista Roadie Crew.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.