Buddy Holly, o inventor 'ritmista'

Estadão

24 de agosto de 2010 | 16h33

Luciano Paço

A seção Mestres da Guitarra é dedicada aos gênios que, com seus instrumentos, fizeram e fazem a história do rock

Nome: Charles Hardin Holley

Apelido: Buddy Holly
Nascimento e morte: 7 de setembro de 1936 em Lubbock, Texas (EUA) / 3 de fevereiro de 1959 em Clear Lake, Iowa (EUA)
Gênero: rock’n’roll, rockabilly
Reprodução

Reprodução

 
Buddy Holly foi um dos resposáveis diretos pela definição  do rock’n’roll e sua popularização. Empunhando sua Fender Stratocaster sunburst de dois tons (naquela época Leo Fender ainda não fazia a tree color sunburst) e braço de maple, ele trouxe uma boa dose de country para o gênero que era muito calcado no blues e rhythm and blues. Assim,  estabeleceu um novo padrão de mão direita (ritmica). Quer ver?
 

Nascido numa família de músicos, Holly aprendeu a tocar ainda pequeno (experimentou violino, piano e steel guitar) e logo passou a ganhar algum dinheiro fazendo cover de  música country com colegas de escola, principalmente Bob Montgomery.  

A virada veio em 1955, quando Holly viu Elvis Presley – “Sem Elvis nenhum de nós teríamos feito isto”, diria o guitarrista pouco depois, em 1958, a Ren Grevatt, colunista da Billboard.

Em outubro de 1955,  Buddy e Bob fizeram a abertura de um show de Bill Haley & The Comets no Fair Park Coliseum. O produtor  Eddie Crandall gostou do que viu e intermediou um contrato com a Decca Records.

Holly foi para Nashville e gravou umas 12 músicas. Só que a gravadora insistia num formato country, que não fazia mais sentido para suas músicas. Sem grande resultados, o contrato não foi renovado.

De volta a Lubbock, Holly mergulhou em sua guitarra, praticando, tocando e escrevendo como nunca com o baterista e grande amigo Jerry Allison. Os dois costumavam gravar demos em estúdos locais.

E foi numa dessas gravações, na madrugada de 25 de fevereiro de 1957, no estúdio de Norman Petty, em Clovis, New Mexico, que eles gravaram That’ll Be The Day – o título foi tirado da famosa fala de John Wayne em Rastros de Ódio (The Searchers, 1956, obra-prima do diretor John Ford). Empolgado com a música, Petty usou seus contatos e a Coral Records, subsidiária da Decca, contratou Buddy e a banda, os Crickets.

A formação original incluía, além de Holly e  “J.I.” Allison, o baixista Joe B. Mauldin e o guitarrista Niki Sullivan, que deixou o grupo após a primeira turnê nacional, em 1957. Daí para frente, os Crickets continuaram como um trio. 

E foi com o trio que Holly fez uma turnê pela Inglaterra, em março de 1958, influenciando definitivamente gente como Paul McCartney, John Lennon, Keith Richards e Mick Jagger – um dos primeiros sucessos dos Stones foi Not Fade Away, de Holly.

 

Relacionamentos
Enquando Holly conhecia (em junho de 1958) e se casava com Maria Elena Santiago (em 15 de agosto), seu relacionamento com Norman Petty se desgatava – eles deixaram de trabalhar juntos em outubro. As coisas com os Crickets também não iam bem – por causa do casamento, excesso de shows, dinheiro… O grupo deixou de existir no fim  daquele ano.

O casal mudou para um apartamento no Greenwich Village, em Nova York, e Holly, novamente, mergulhou na guitarra.

Enquanto as pendências econômicas com Petty e os Crickets eram resolvidas, a sua agência General Artists Corporation ofereceu uma fonte alternativa de renda – uma turnê de três semanas pelo meio-oeste, a Winter Dance Party, que contava com Ritchie Valens, J.P. Richardson (mais conhecido como The Big Bopper) e Dion and The Belmonts.

A ‘festa’ começou em 27 de janeiro de 1959 e praticamente todos os músicos ficaram doentes por causa do rigoroso inverno. Quando a turnê chegou a Clear Lake, em Iowa, Holly decidiu alugar um pequeno avião para ir até a próxima parada da Dance Party (Fargo, North Dakota) depois da apresentação do dia 2 de fevereiro.

Já passava da 1h quando Roger Peterson,  piloto do Beechcraft Bonanza, levantou vôo sob péssimas condições de tempo levando Holly, J.P. e Valens. Menos de cinco minutos depois, à 1h5, a aeronave  caiu num milharal. Ninguém sobreviveu.

Everyday, Maybe Baby, Rave On

Tudo o que sabemos sobre:

anos 50Buddy Holly

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: