Brujeria traz o caos e a violência extrema para SP

Estadão

18 de abril de 2012 | 01h37

Marcelo Moreira

Insano. Blasfemo. Violento. Perigoso. Esses são alguns adjetivos usados pela imprensa internacional para descrever o som da banda norte-americana Brujeria, que toca nesta quarta-feira em São Paulo pela terceira vez.

O quinteto pratica um dos sons mais brutais que existe, com músicas pesadíssimas e muito velozes, com o vocalista Asesino vociferando pragas e blasfêmias diversas em espanhol. Uma verdadeira trilha sonora do inferno que vai assombrar o Hangar 110.

O Brujeria é formado por músicos renomados da cena underground metal e death metal, na maioria descendentes de hispânicos. Sua formação atual inclui membros e ex-membros do Napalm Death, Carcass, Cradle of Filth, At The Gates e Down By Law.  No início, o grupo era liderado por Dino Cazares  e Raymond Herrera do Fear Factory e já passaram pelo projeto Billy Gould (Faith No More/ Jello Biafra & GSM) e Jello Biafra (Dead Kennedys).

A notoriedade do grupo surgiu logo após o lançamento de seus mais importantes álbuns, logo na sequência:  “Matando Gueros” e “Raza Odiada”. As letras abordam temas clássicos do death metal, como morte e destruição, mas sempre com a orientação política clara, denunciando o racismo e a opressão social, tanto nos Estados Unidos quanto no México.
A abertura ficará a cargo dos paulista do quarteto paulista Oitão.

Serviço

Data: 18 de abril de 2012 (quarta-feira) – São Paulo/SP
Banda de abertura: Oitão
Local: Hangar 110 (Rua Rodolfo Miranda, 110 – Bom Retiro)
Horário: 19h
Ingressos: a partir de R$ 80

Tudo o que sabemos sobre:

Brujeria

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.