Blues invade o mês do rock: James Cotton é a grande estrela

Estadão

18 de julho de 2013 | 06h43

Marcelo Moreira

O espaço é pequeno e inadequado: a parte de cima de um sobrado em um bairro residencial de Santo André, no ABC (Grande São Paulo). Quinta-feira à noite, frio, com poucas chances de lotar o pequeno local que teria no máximo 50 cadeiras. É o centro cultural Gambalaia, que existe há alguns anos graças a um abnegado que resolver viver de arte e cultura – e do que rende  bar na parte de baixo, que também serve de pequena galeria de exposições.

Em pouco menos de meia hora, três gaitistas e uma banda afiadíssima fizeram um blues de arrepiar para mais de 150 pessoas que superlotaram o sobrado, pagando R$ 5 para ver o grande Ivan Marcio, gaitista e cantor, detonar um blues elétrico de Chicago acompanhado da Walkin’ Blues Band  anotem este nome, trio da pesada que por enquanto está restrito ao meio musical.

Carismático, espontâneo e engraçado, Marcio quebrou tudo naquele comecinho frio de julho em Santo André, tendo como convidados o excepcional Little Will, gaitista de Santo André e um dos mais importantes nomes da Hohner (fábrica de gaitas) no Brasil, e o dinamarquês Thomas T. Love, em breve passagem pelo país.

O blues avançou em julho e abocanhou uma boa parte da programação musical do Estado de São Paulo em pleno mês do rock. Os principais nomes do blues nacional se mexeram e escolheram o mês para espalhar o gênero musical por casas de show, praças e unidades do Sesc .

Essa movimentação culmina com duas concorridas apresentações do bluesman norte-americano James Cotton no Sesc Belenzinho, nos dias 26 e 27. Cotton é atualmente talvez o mais venerado gaitista pelos músicos brasileiros. Nascido no Mississippi, fez parte das bandas de ninguém menos do que Howlin’ Wolf e Muddy Waters.

James Cotton (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Em 1965, formou a Jimmy Cotton Blues Quartet e dois anos mais tarde, a James Cotton Blues Band com a qual recebeu uma nomeação ao Grammy em 1984 por “Live From Chicago: Mr. Superharp Himself!”,  e uma segunda pelo lançamento de “Take Me Back”, em 1987. Não bastasse isso, foi premiado em 1996, com “Deep in the Blues”, como  melhor álbum de blues tradicional.

O veterano bluesman de 78 anos ainda fará um inusitada apresentação gratuita no 8º Festival de Blues de Ilha Comprida (litoral sul de São Paulo) no dia 28 de julho – leia mais clicando aqui. Ele pretende apresentar clássicos de toda a sua carreira, com ênfase no material dos anos 60 e em seu mais novo álbum, lançado há três meses, “Cotton Mouth Man”. Sua banda tem Jerry Porter (bateria), Noel Neal  (baixo), Tom Holland (guitarra) e Darrell Nulisch (voz). Na Comedori

Entre os brasileiros, destaque para Nuno Mindelis e Big Chico. Mindelis, que divide a honra de ser o guitarrista brasileiro de blues mais importante dos últimos 20 anos com André Christóvam e a dupla do Blues Etílicos – Greg Wilson e Otávio Rocha -, está na iminência de lançar seu novo álbum, “Angels & Clowns”, gravado no início de 2013 em Rhode Island, nos Estados Unidos. A produção é do mago Duke Robillard, guitarrista que hoje é simplesmente  diretor de turnês de Bob Dylan.

“Este é um álbum diferente, que eu compus e gravei sem ter um planejamento prévio. Tinha algumas músicas e o Duke praticamente me intimou a gravar em janeiro. Tem uma pegada não muito tradicional, não é tão purista. Quis fazer algo diferente, com toques modernos e timbres que remetam a uma coisa que ainda não fiz. Não quero rotular de moderno, mas é diferente, sem dúvida”, diz Mindelis.

Já Big Chico, gaitista e cantor paulista que pretende enveredar pela guitarra logo logo, coloca na praça “My New Blues”, acentuando a mistura de estilos. Transitando bem entre a harmonica blues de Chicago e Califórnia, amplia as experiências com sonoridades do soul, do funk e de ritmos brasileiros. Com produção da Chico Blues Records, a obra tem ainda a participação de Lurrie Bell, guitarrista norte-americano e que também tocará no festival de Ilha Comprida.

Circuito paulista de blues

E o Sesc deu a sua contribuição importante para a invasão blueseira no mês do rock. Além de James Cotton, as unidades da instituição terão ainda até o dia 31 de julho apresentações de gente com  Flávio Guimarães, Álamo Leal, Sérgio Duarte, Ari Borger, Igor Prado, Robson Fernandes e General Blues.

No dia 19 de julho, no Sesc Ribeirão Preto, o gaitista Flávio Guimarães, do Blues Etílicos, é  convidado especial da banda  General Blues, que lança seu primeiro disco “Space Blues”. No repertório, além das composições próprias, o grupo irá interpretar grandes clássicos do gênero, do tradicional ao contemporâneo.

No dia seguinte, 2o de julho, Guimarães vai para a capital para tocar ao lado do violonista Álamo Leal, com gravou um CD no ano passado, no Sesc Interlagos. O repertório é baseado no CD “Ain’t No Strangers Here”, de 2012, que foi gravado ao vivo em duas sessões de estúdio. Eles serão acompanhados por Rodrigo Mantovani no baixo acústico. No mesmo dia, em Presidente Prudente, o Matuto Moderno, que funde ritmos brasileiros com blues e jazz, faz uma apresentação especial. A banda é o berço do Moda de Rock, que transporta clássicos do rock para a viola caipira.

Álamo Leal (dir.) e Flávio Guimarães (FOTO: DIVULGAÇÃO)

No dia 23, outro gaitista, Robson Fernandes, é o destaque no Sesc Belenzinho com a sua banda e os guitarristas convidados Marcos Ottaviano (ex-Blue Jeans) e Danny Vincent. No repertório, canções de seus três discos com destaque para o trabalho mais recente Cool, onde explora várias vertentes e ritmos diferentes do blues com influências do som de Chicago, Califórnia e New Orleans.

O projeto Bom Retiro Meio-Dia, no Sesc Bom Retiro, leva duas boas atrações para tocar gratuitamente na praça de convivência. No dia 23 tocam o gaitista Sérgio Duarte acompanhado pelo violonista e guitarrista Marcos Klis. Uma semana depois, no dia 30, e a vez do pianista e tecladista Ari Borger e do guitarrista Igor Prado. Serão duas entradas até as 14h, em shows gratuitos na praça de convivência.

A PROGRAMAÇÃO COMPLETA, POR DIA, OS SHOWS MUSICAIS DO SESC-SP PODE SER CONFERIDA CLICANDO AQUI, E DEPOIS ESCOLHENDO  LINK “MÚSICA”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.