Bateristas homenageiam John Bonham

Estadão

24 de setembro de 2010 | 08h13

Roberto Capisano Filho

No próximo dia 25, John Bonham, um dos maiores bateristas do rock de todos os tempos, será homenageado. Pelo menos 15 profissionais das baquetas farão um show no Key Club em Hollywood, Califórnia, em razão dos 30 anos da morte do ex-integrante do Led Zeppelin.

A apresentação vai contar com as presenças do filho de Bonham, Jason Bonham (Led Zeppelin, Foreigner), Vinny Appice (Black Sabbath, Heaven & Hell, Dio), Frankie Banali (Quiet Riot), James Kottak (Scorpions), Chad Smith (Red Hot Chili Peppers, Chickenfoot), Steven Adler (Guns n’ Roses, Adler’s Appetite), entre outros.

A banda que acompanhará os bateristas será formada por Brent Woods e Brian Tichy (guitarras) Michael “Denim” Devin (baixo), Keith St. John (vocais), Stephen LeBlanc (teclado).

Será uma justa homenagem àquele que é uma referência para os bateristas de rock de qualquer estilo. Dono de uma técnica apurada e uma musicalidade notável, John “Bonzo” Bonham foi um dos mais influentes bateristas e é sempre citado por músicos de todo o mundo. Ele fez escola com o som que extraía de seu instrumento e com sua maneira de tocar. Com seu estilo preciso e limpo, sabia encaixar o groove certo em cada música. É difícil imaginar uma composição do Led Zeppelin com a bateria tocada de outra forma que não a de Bonzo.

No Led Zeppelin, Bonham teve o espaço de que precisava para colocar todo seu talento a serviço de uma das maiores bandas da história. Com Jimmy Page, Robert Plant e John Paul Jones como companheiros o resultado não poderia ser menos do que sensacional.

Porém, se de um lado havia talento de sobra, do outro Bonzo mostrou sua fraqueza diante da álcool. Em 1980, aos 33 anos, John Henry Bonham morreu enquanto dormia, sufocado pelo próprio vômito, após tomar uma quantidade absurda de vodca. Ele perdia a batalha contra o vício e o mundo perdia a chance de ouvi-lo por muitos anos mais.

Tudo o que sabemos sobre:

bateriabateristasJohn BonhamLed Zeppelin

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.