Band Brains: união e muita atitude em show histórico em SP

Estadão

10 de abril de 2013 | 11h48

do blog ZP

Bad Brains em SP

Em 1977, ano mítico para o movimento punk mundial, Bob Marley já cantava “Going to a party, and i hope you are hearty, so please don’t be naughty for, it’s a punky reggae party”…, e a noite de ontem, no Via Marques em São Paulo, foi palco da maior festa punk reggae já vista: A lenda viva Bad Brains, um dos pilares do hardcore mundial, que com sua formação original, fez um show histórico, inesquecível, único e esquizofrênico, se dividindo entre o genial e o absurdo, com uma performance tão doentia e única do Frontman H.R, que faria com que Mike Patton se urinasse de medo.Punks de todas as gerações, skinheads, metaleiros, straigh-edges, regueiros e patricinhas se dividiam e se acomodavam como podiam nas dependências da casa de show que logo estaria completamente lotada, e no semblante de todas as pessoas presentes, o mesmo sentimento de “Isso é real? Esse show está acontecendo?” era presente. Uma noite histórica estava apenas começando.

Para iniciar os trabalhos da noite, novamente respeitando o cronograma informado pela Liberation M.C que nos traz este show, todo o peso, energia e disposição de sempre do hardcore-metal do gigante Paura toma o palco e já dá a entender o porque foi escalado para esta prova de fogo.

Pouco se pode acrescentar sobre um show do Paura que já não tenha sido dito anteriormente, a melhor banda de hardcore-metal nacional, com o melhor baterista do Brasil, prestes a embarcar em sua nova tour Européia despeja fúria, técnica, energia e peso, sem dó alguma do público, que mesmo não muito receptivo, se assusta com essa apresentação de peso.

No set de sua apresentação, a banda foca em seus trabalhos mais recentes e músicas mais pesadas, indo de “Integrity Department”, “Worthless Progress”, e “Discharge the Man”, até “Bull Control” e “Demmanded on Hate”, ou seja, riffs pesados, muita gritaria, breakdowns e uma aula de técnica e energia. Impressionante, sempre.

Logo na sequência, com a casa de shows completamente lotada, o Bad Brains sobe ao palco, e sem muita cerimônia, inicia sua apresentação: após uma breve intro, onde já não se via uma pessoa parada na casa de shows, entoa na sequência o hino Atittude: “Don’t care what they may say we got that attitude” melhores palavras não poderiam descrever a banda no palco.

A seguir, a banda divide sua apresentação entre músicas clássicas, hinos que acompanharam a adolescência de muitos ali presentes, como “Sailling on”, “I&I Survive” e algumas músicas de seu trabalho mais recente “Into the Future” de 2012, com momentos totalmente reggae/dub como em “Jah Love” e “I luv, I jah”.

O enigmático vocalista H.R se torna a figura chave do show, um catalisador de atenção, sempre carregando suas inseparáveis mochilas, o vocalista parece viver numa bolha, num mundo a parte, munido de seus fones de ouvido e endumentárias rastafari, o vocalista mal canta suas músicas, com tamanha receptividade do público, que faz um verdadeiro karaokê do hardcore, o vocalista apenas entoa algumas vocalizações, e rege a galera como um maestro, e entre suas caras, bocas e trejeitos, faz uma apresentação única e mágica, genial, louca, qualquer adjetivo usado aqui seria apropriado.

O show segue com clássico em cima de clássico, “Banned in D.C”, “Soulcraft”, “At the movies” “Re-ignittion” e “Pay to cum” destroem o público, sem dó, executados tal qual a gravação original, com peso e técnica surpreendentes. A seguir a banda deixa o palco, retornando logo após para o bis com o hino imortal “I Against I”. Fim de papo, e jogo ganho, por goleada.

Tudo o que sabemos sobre:

Bad Brains

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: