Aos 50 anos, Status Quo reúne formação original

Estadão

01 de junho de 2012 | 17h00

Marcelo Moreira

Há bandas que conseguem superar diversos problemas com ajuda preciosa do tempo e conseguem se reconciliar de forma digna e civilizada. Não é o caso do Guns N’Roses, mas se ajusta perfeitamente ao Status Quo, gigante do rock britânicos dos anos 60 e 70 que resolveu comemorar seus 50 anos de fundação reunindo a formação original e clássica.

O agora quarteto pretende se reunir após 31 anos para gravar um novo álbum e possivelmente uma nova turnê. A última vez que estiveram juntos em estúdio foi para gravar e lançar o fraco “Never too Late”, em 1981.

Francis Rossi (vocal e guitarra), Rick Parfitt (guitarra e vocal), Alan Lancaster (baixo) e John Coglan (bateria) criaram uma mistura peculiar de rock pesado e boogie rock que resultou em milhões de álbuns vendidos nos anos 70, inspirando algumas bandas, como os compatriotas do Foghat, que tendiam mais para o blues.

Ao contrário dos Rolling Stones, que estão na ativa ininterruptamente há 50 anos, o Status Quo anunciou sua separação em 1984 após vendas fracas de álbuns naquela primeira metade da década de 80.

Parfitt (esq.), Lancaster e Rossi em ação na Inglaterra no final dos anos 70

Surpreendentemente, Rossi e Parfitt ressuscitaram a banda um ano e meio depois para gravar o bem-sucedido – mas nem tão bom – “In the Army Now”, de 1986. A notícia ruim foi a exclusão do baixista e fundador Alan Lancaster, ainda atritado com os então ex-amigos. Sua ausência no retorno foi motivo de muita mágoa por parte do baixista nos últimos 25 anos.

Curiosamente, após anunciar o retorno da formação clássica para um novo álbum e uma nova turnê, Rossi disse que a formação que atualmente está com banda – John “Rhino” Edwards (baixo, guitarra e vocais), Matt Letley (bateria) e Andy Bown (guitarra e teclados) – não seria dissolvida. A ideia é manter as duas formações na ativa, embora não tenha dado nenhum detalhe de como pretende operacionalizar tal “coexistência”.

Embora a música “Rockin’ All Over the World” seja talvez o seu grande sucesso contemporneo, ao lado de “Whatever You Want”, os seis primeiros álbuns do Status Quo são considerados clássicos do rock. São eles “Picturesque Matchstickable Messages” (1968), “Spare Parts” (1969), “Ma Kelly’s Greasy Spoon” (1970), “Dog of Two Head” (1971), “Piledriver” (1972) e “Hello!” (1973). Parte expressiva dos fãs, porém considera “Blue for You”, de 1976, como o seu melhor e mais pesado álbum.

Tudo o que sabemos sobre:

Status Quo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.