Andy Summers faz do Police bossa nova com Roberto Menescal

Estadão

05 de fevereiro de 2011 | 08h34

Marcelo Moreira

Andy Summers é um gentleman, e seu comportamento se reflete na maneira como toca sua guitarra. Apaixonado pelo jazz, seu estilo sempre foi elegante e elaborado, fazendo questão de tirar sons cristalinos e limpos. Por isso quem não conhece seu trabalho no rock se espanta quando fica sabendo que fez parte do trio inglês The Police, uma das grandes pérolas do pop-rock dos anos 70 e 80.

A delicadeza e a precisão de seus acordes marcaam o som do trio, assim como a batida inconfundível do baterista Stewart Copeland e da voz esganiçada e ao mesmo tempo leve do baixista Sting. Por reunir três exímios músicos egocêntricos, até que o combo criado pelos irmãos Miles, Ian e Stewart Copeland durou bastante – oito anos.

Sting decidiu abraçar de vez o mundo pop e virou uma estrela de primeira grandeza, ora caindo no jazz, ora misturando ritmos. Stewart Copeland virou um renomado compositor e produtor de trilhas de cinema e de vez em quando aparece na bateria em algum álbum de amigos. Já Summers voltou ao que sempre foi: um genuíno músico de jazz.

Ele volta ao Brasil para participar do lançamento do DVD “United Kingdom of Ipanema”, de Roberto Menescal, um dos nomes mais importantes da bossa nova e da MPB clássica. São amigos de longa data e a parceria foi responsável pela paixão do guitarrista inglês pelo Brasil – ficaram famosas as apresentações de Summers por aqui ao lado do guitarrista Victor Biglione nos anos 90, além da passagem eletrizante em 1987 acompanhando Stanley Clarke, baixista fenomenal.

Andy Summers e Roberto Menescal (FOTO: Bruno Descaves/DIVULGAÇÃO)

O DVD United Kingdom of Ipanema é o primeiro lançamento do Musickeria, selo do empresário Luiz Calainho e distribuído pela “Acesso”. O projeto foi idealizado pelo empresário Luiz Paulo Assunção, produtor do Andy Summers no Brasil e Renato Costa. Serão três apresentações da dupla entre 8 e 10 de fevereiro, em São Paulo e no Rio de Janeiro. 

A ligação estreita entre eles ficou mais estreita a partir de 2007. O show terá um repertório com músicas do Police e muita bossa nova – todas escolhidas, claro, a duas cabeças. “Pelo fato do Andy não ser somente rock e eu ser um curioso por outros estilos, aceitamos esse desafio, que nos tem dado muita satisfação”, diz Menescal.

E até que Menescal não decepciona no hino “Raxanne”, do Police, em versão bem mais light. Já Summers mostra-se um pouco mais à vontade com o balanço bossa-noviano no solo de Garota de Ipanema. O guitarrista pegou rápido o jeito da coisa, como conta Menescal: “O Andy apaixonou-se pela música brasileira, e a bossa nova em especial, quando ouviu há muitos anos a música Manhã de Carnaval. Daí em diante, passou a ouvir muitas coisas e a tentar fazer a ‘batidinha’ da bossa. Quando começamos a tocar juntos ele logo criou sua própria batida de bossa. Um ano depois disso, no show que fizemos para o DVD, ele já estava bem ‘saliente’”.

SÃO PAULO

Sesc Pinheiros (Rua Paes Leme, 195, Pinheiros, São Paulo)

8 e 9 de fevereiro

R$ 7,50 a R$ 30
RIO DE JANEIRO
Espaço Pier Mauá – Armazém 4 (Av. Rodrigues Alves, Centro, Rio de Janeiro)
10 de fevereiro
R$ 10 a R$ 30

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.