A trilha sonora roqueira para a manifestação que melhor se encaixe em seu estilo de vida

Estadão

18 de junho de 2013 | 06h54

Marcelo Moreira

A completa indigência administrativa e política, em todos os níveis de governo, foram escancaradas de forma inapelável neste histórico dia 17 de junho, com mais de 150 mil pessoas saindo às ruas para protestar contra uma série de desmandos governamentais, vícios, corrupção e completa falta de sintonia com as necessidades do país. O grande mérito foi mostrar que a tolerância baixou a quase zero.

Claro quer nem tudo corre às milo maravilhas. Ainda há uma série de equívocos em relação às motivações dos manifestantes, principalmente em São Paulo, sem falar nos objetivos claramente político-eleitoreiros, na tentativa de politizar o movimento por parte de alguns partidos políticos.

Os atos de vandalismo mancharam o que deveria ser um exemplo de fervor cívico nos primeiros dias, mas que foram devidamente “compensados” pela repressão violenta e desproporcional por parte da Polícia Militar – fato que virou o jogo a favor dos manifestantes, até então vistos com desconfiança pelos trabalhadores e cidadãos que tiveram o seu direito de ir e vir afetados pelos protestos.

Por mais que ainda exista um viés antidemocrático quando se observa que um grupo decide que tem o direito de bloquear avenidas e estradas, e ainda que haja comportamentos fascistas por parte de líderes de partidecos políticos e de grupos sindicais, o movimento de 17 de junho foi no todo pacífico e incisivo, como deveria ter sido desde o começo.

Democracia em em seu mais alto grau, com intensa participação popular, por mais que haja equívocos e falta de foco nas motivações do movimento. Protestar contra um aumento de tarifas de ônibus abaixo da inflação, especialmente em São Paulo, pode até ser, dependendo do ponto de vista, algo desproporcional, ainda mais quando há gente que reivindica a insanidade de ônibus e metrô de graça na maior cidade do País.

O sagrado direito de manifestação e protesto pacíficos deve ser o maior dos objetivos de luta, por mais que haja discordâncias, adversários e oposição. E que tudo isso seja embalado pelo mais agitado e intenso rock de protesto. O programa de web rádio Combate Rock, no Território Eldorado/Estadão.com, fará um especial nesta semana com as músicas que marcaram gerações e que serviram de trilha sonora para todo tipo de manifestação.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.