A polêmica entre Gene Simmons, do Kiss, e Michael Jackson

Estadão

18 de agosto de 2011 | 07h00

Roberto Capisano Filho

Um assunto que ganhou destaque na mídia nos últimos dias foi o convite feito ao Kiss para participar de um tributo a Michael Jackson. Indginados, fãs do cantor pediram que os promotores do show retirassem a banda da lista de participantes do evento, no que foram prontamente atendidos. O motivo: as declarações que o baixista Gene Simmons fez após a morte de Michael nas quais dizia acreditar que o pop star era pedófilo.

Obviamente, o que linguarudo (nesse caso, em todos os sentidos) do Kiss disse sobre Michael não passaria em branco. Sempre que uma figura pública fala algo forte sobre outra – e estamos tratando de artistas mundialmente conhecidos – o assunto ganha grandes proporções.

Mas, afinal, por que os organizadores do tributo convidaram o Kiss para o evento se Simmons havia tocado no ponto fraco da biografia de Michael Jackson? Os escândalos envolvendo o cantor nunca foram convincentemente esclarecidos (é só lembrar que ele gastou milhões de dólares para fazer um acordo com a família de um garoto que o acusava de abuso sexual e encerrar o caso).

Será que os promotores do show estavam em Marte quando o baixista do Kiss chamou Jackson de pedófilo? Ou eles ignoraram o fato porque ter o Kiss em um evento como esse – a banda seria indubitavelmente o maior nome do show – era interessante para atrair público e a atenção da mídia?  Eles deveriam responder isso…

Quanto a Simmons, ele nunca dispensa uma oportunidade de colocar o Kiss em evidência. E um tributo a Michael Jackson era uma boa pedida. Se bem que, até agora, não houve nehuma explicação se aquela era uma relação de artistas confirmados ou apenas uma lista de convidados para o show. Ao que parece, a segunda hipótese é mais factível e, sendo assim, nada garante que o Kiss iria aceitar. Simmons sabe o que falou de Jackson.

O fato é que Simmons teve coragem de falar em público aquilo que muita gente apenas diz a boca pequena. Ele se comportou como um elefante numa loja de cristais? Certamente. Mexeu em terreno perigoso. Os fãs de Michael Jackson o odeiam e não são poucos.

Não cabe aqui dizer se Simmons está certo ou errado por emitir seu ponto de vista. Mesmo porque uns podem argumentar que o baixista do Kiss foi tudo, menos hipócrita, ao assumir sua opinião em público, mesmo ciente de que entrava em um campo minado ao criticar um astro do tamanho de Michael Jackson. Outros vão dizer que ele falou o que falou para aparecer ou coisa do tipo.

De qualquer forma, Michael Jackson morreu mas as dúvidas quanto ao seu comportamento, não. E Gene Simmons não precisava ter entrado nessa discussão.

Cada um que tire suas conclusões.

 

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Gene SimmonsKIssMichael Jackson

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: