Segundo lance

Estadão

24 de setembro de 2010 | 20h44

wall_street_500.jpg

“Acho a ganância algo saudável”, disse, em 1986, o investidor americano Ivan Boesky. A frase resumiria a filosofia de Gordon Gekko, o protagonista de Wall Street: Poder e Cobiça (1987), de Oliver Stone. Como Boesky, Gekko se envolve, no filme, em um escândalo ao comprar e vender ações com base em informações privilegiadas – e tem de pagar por isso.

Em Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme, o personagem, novamente interpretado por Michael Douglas (que ganhou um Oscar pelo primeiro longa) está saindo da cadeia. Não é, porém, o melhor momento para voltar aos negócios: o ano é 2008 e a crise econômica ameaça o mercado financeiro.

Ainda assim, Gekko – que está mais sentimental e (um pouco) menos ganancioso – decide ajudar Jacob (Shia LaBeouf), um jovem economista. O rapaz tem de salvar seu empreendimento e descobrir o motivo que levou seu mentor, o empresário Louis Zabel, à morte. Enquanto conta a história, Stone mostra outra vez os bastidores das negociações em Wall Street. Levando em conta o filme anterior, elas parecem ter mudado pouco nos últimos 25 anos. Mas seguem rendendo bons roteiros. (Luiza Pereira)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: