Prova de fogo

Estadão

26 de março de 2010 | 08h00

dragao_500

Algumas crianças têm cachorro. Outras, preferem gatos. Soluço, um garoto viking, tem um dragão. Mas o ‘bichinho’ não foi um presente do pai. Este, a propósito, nem desconfia da amizade do filho com seu maior inimigo. Estreia hoje (26) Como Treinar o seu Dragão, a nova animação da DreamWorks, inspirada no livro homônimo de Cressida Cowell. Inspirada mesmo, pois, da obra, o filme herdou apenas os personagens e a ideia central. O roteiro escrito por Chris Sanders é autoral, consistente e detalhista. E tudo isso você vai ver realçado pelos efeitos tridimensionais.

A aventura acontece na aldeia Berk, onde valentes habitantes aprendem desde cedo a arte de matar dragões. Soluço, filho do líder viking, bem que tenta seguir a tradição de seu povo, apesar de ser diferente de todos. Fraquinho e medroso, ele inventa armas malucas para combater os répteis medievais, até que um dia, consegue acertar um deles. Não é pela força, porém, que Soluço domina Banguela (apelido do bicho abatido), mas pela relação de amizade e respeito que estabelece com ele.

Tudo isso é previsível. A surpresa mesmo fica para o final: como poderia o garoto enfrentar a mais temida das feras e sair ileso? A resposta você não encontra nem nas páginas do livro. Só mesmo na telona. Como Treinar o seu Dragão valoriza a inteligência das crianças e alfineta a prepotência dos adultos, que insistem em impor aos pequenos seu ponto de vista soberano.

E não se assuste se seu filho identificar semelhanças entre Banguela e um certo alienígena. É que os diretores Dean DeBlois e Chris Sanders são os mesmos de Lilo e Stitch (2002).

Ele não puxou o pai | Stoico, o Imenso (com voz de Gerard Butler na versão original) é o líder da aldeia e um típico viking: valentão, forte e um excelente matador de dragões. Ele espera que seu filho seja tudo isso. Mas Soluço, contrariando os desejos do pai, encontra uma nova maneira de domar os voadores medievais: usando a cabeça. (Fernanda Araujo e Luiza Pereira)