Novo com cara de velho

Estadão

16 de julho de 2010 | 12h00

death_proof_500

Finalmente estreia no Brasil À Prova de Morte, filme de Quentin Tarantino anterior ao recente Bastardos Inglórios. A produção, de 2007, era 50% do projeto Grindhouse, em que Tarantino e seu amigo Robert Rodriguez dirigiam homenagens aos ‘filmes B’ que costumavam assistir em sessões duplas (e baratas) nos anos 70. Nos EUA, os longas foram lançados juntos. Aqui, saíram separados. ‘Planeta Terror’, assinado por Rodriguez, passou nas nossas telas há quase três anos.

O atraso de À Prova de Morte irrita, claro. Mas reforça seu maior charme: ele é, deliberadamente, um dinossauro, um filme fora do seu tempo. Kurt Russell (ele próprio um fóssil, no bom sentido) interpreta um dublê especializado em cenas com automóveis que usa seu carro para perseguir e matar jovens mulheres.

A trama, contudo, é o de menos. Como toda obra de Tarantino, o filme é apenas uma divertida declaração de amor às obsessões que tornaram o diretor tão reverenciado. Entre elas, as personagens femininas poderosas, os diálogos rápidos cheios de humor, a violência como forma de entreter e constranger – e, agora, a beleza destrutiva de um carro em alta velocidade.

Tendências: