Em minha modesta opinião

Estadão

29 de outubro de 2010 | 20h10

tropa_de_elite2_500.jpg

Parte da equipe do guia Divirta-se se juntou para falar sobre o filme Tropa de Elite 2 na seção Em Minha Modesta Opinião da edição de hoje (29). Veja o que eles acham.

ANDRÉ GRACIOTTI
Baseado na ficção | Com menos panfletagem e mais cinema, sem repetir os personagens unidimensionais do filme original, Padilha consegue com Tropa 2 um maduro e engenhoso filme de ação como há muito não se via no cinema nacional. Conflitos evoluem em tensão crescente, se complicam e se complexificam em prol de um clímax vibrante. Ainda tenta ser provocativo e chocante, mas desta vez, o que o torna um filme memorável vem não só pela referência à realidade, mas pela abordagem da ficção.

EVELIN FOMIN
Catarse coletiva | Demorei dois anos para ver Tropa 1 por alguns motivos que geralmente me servem de termômetro. O bordão “pede pra sair”, o refrão do hit da banda Tihuana e comentários reacionários indicavam que eu odiaria o filme, que vi pela TV. O que eu não esperava era que os anos de rejeição afrouxariam minha resistência e me fariam querer ver a sequência no dia da estreia. Rendida, me vi escolhendo racionalmente ter uma experiência catártica, apenas para me distrair com a visão maniqueísta de José Padilha.

LEANDRO QUINTANILHA
Eu queria gostar | Tropa 2 é um filme envolvente – mas isto não é um elogio. O longa trata de questões que me interessam como brasileiro e como cinéfilo. Só que, para mim, um bom filme dialoga com a inteligência e a sensibilidade do espectador. A ação de José Padilha provocou meu intelecto, mas só quis conversa com as minhas emoções. A narração, a música e a edição ditavam o que eu devia sentir. Saí da sessão com a impressão de que vi uma mistura de Michel Foucault com Charles Bronson. Pena, porque isto não precisava ser uma crítica.

RAFAEL BARION
Vamos fugir? | O filme de Padilha não tem cinza, só preto e branco. Quem é mau é inteiramente mau. Quem é bom, inteiramente bom (e meio banana). Nascimento é o único personagem complexo, humano e com poder de discernimento. O ponto de vista do filme é o ponto de vista dele. E, para ele, o mal tem de morrer. Ainda que se decepcione com a PM, a sua lógica continua sendo a da guerra. O mal, para Nascimento, são os traficantes, os políticos, os policiais. E para você? Quem você vai querer matar? Liberaram a selvageria. Pode fugir.