Cuidado com a sinopse

Estadão

10 de março de 2010 | 07h00

(Este é o quinto post da série de resenhas publicadas no Guia do Estadão sobre filmes que concorreram ao Oscar e estão em cartaz)

preciosa_400

Preciosa – Uma História de Esperança | Precious, EUA, 2009

Indicações | Melhor Filme; Melhor Diretor, para Lee Daniels; Melhor Atriz, para Gabourey Sidibé; Melhor Atriz Coadjuvante, para Mo’Nique; Melhor Roteiro Adaptado. Mo’Nique venceu como Melhor Atriz Coadjuvante

Você pode desistir de ver Preciosa – Uma História de Esperança ao ler a sinopse do filme. É que a história de uma adolescente pobre, semianalfabeta, morbidamente obesa, grávida pela segunda vez do próprio pai e vítima de abusos psicológicos da mãe talvez não seja bem o que você tinha em mente para o fim de semana. Mas o filme de Lee Daniels não vai torturar você. Vai deixá-lo perplexo. Com a história extraída do romance do escritor americano Shapphire, com as escolhas de Daniels para contá-la e com as interpretações indicadas ao Oscar de Gabourey Sidibé (Precious) e Mo’Nique (sua mãe), que já levou o Globo de Ouro.

A adolescente embrutecida e silenciosa parece uma personagem de documentário, filmada sem perceber. A mãe depressiva é uma vilã violenta e humana. Você vai odiá-la, mas, se reparar bem, vai perceber que também há ali o que compreender. Precious descansa de sua vida trágica (ou a história descansa você) em devaneios glamourosos, como os números musicais de Dançando no Escuro. Mas a jornada da personagem é resolvida com realismo. Para Precious, já seria extraordinário virar uma pessoa comum. (Leandro Quintanilha)

Tendências: