Os Potencialistas

Estadão

17 de março de 2010 | 21h47

Você é um  Potencialista?

Potencialismo é um novo lifestyle. Total tendência. “Não esconde grandes ideologias nem palavras de libertação inspiradas em figuras revolucionárias; não é a esquerda de hoje, apesar de ter ideia de oposição à manipulação e à sociedade de carências humanas.” Assim prega o Manifesto Potencialista – cujo autor… Bom, não há um autor do manifesto. Essa é uma declaração de princípios e intenções que se espalhou virótica e wikipedianamente via internet. Ou seja: é um manifesto de conteúdo colaborativo; uma ideologia niilista coletivista. Há na rede textos que descrevem potencialismo como “uma corrente e um casamento da faceta estética nietzschiana com marxismo”. Nooonsense! ‘Ismos’ à parte, o conceito potencialismo faz sentido à medida que há a necessidade de descobrir para onde vão o mercado e a sociedade de consumo. Estamos numa época pautada pela velocidade de informação – que leva à perda de controle das regras do mercado tradicional. A turbulência financeira de 08/09 fez executivos da American Express contratarem agências caçadoras de tendências em vários países para pesquisar, identificar e quantificar os potencialistas. O estudo da consultoria inglesa The Future Laboratory aponta potencialismo como novo modo de vida. Pessoas não constroem mais sua existência em torno de uma só carreira. O caminho é detectar múltiplas aptidões – e explorá-las. Pense um publicitário-gourmet-esportista. Num banqueiro-piloto; numa editora-marchande-iogue. Sendo que cada um leva a sério todas atividades. “Potencialistas não são preocupados em melhorar unicamente seu status social; são pessoas em busca de crescimento e satisfação pessoais”, diz Ivonne Fluchaire, VP de mercadotécnica e publicidade da Amex. O canadense Jeremy Gutsche, da TrendHunter, diz que 1/4 da população de seu país se encaixa no perfil. Por quê? “Dois fatores: demografia e economia. É lógico assumir que boomers, à medida que chegam perto da aposentadoria, queiram tirar o máximo da vida. Isso os leva a priorizar o tempo com família, viagens e hobbies”, diz. “Já as novas gerações, a dos filhos de boomers, é de jovens urbanos que cresceram com uma rede de segurança. Isso significa que não têm que ir atrás de um trabalho para se estabelecer imediatamente, então optam por uma vida em que a satisfação pessoal vem em primeiro lugar”, sintetiza. No Brasil, Adriana Tommasini Risk deixou o direito para abrir a Axiom, empresa que desenvolve projetos ligados à expansão da consciência para que, inspirados, indivíduos e organizações desenvolvam suas potencialidades por meio de debates filósofos. Chegou ontem ao Brasil pela Axiom, o professor da Pepperdine Business School e filósofo japonês Yasuhiko Kimura, fundador do The Evolution of Science Group. Ele alia zen budismo ao método socrático de questionar e dialogar para abrir a mente à reflexão. Para achar o caminho da… potencialidade.

O filosofo Yasuhiro Kimura veio à redação do Estado para um bate papo sobre Paixões. O caminho para felicidade e potencialismo é, segundo ele, por meio da criatividade que florescence quando potencializamos paixões. Editamos uma versão curta legendada. E na íntegra em inglês. Assista

Versão legendada:

Vesão na integra:

Basicamente? encaixa aqui perfeitamente o Manifesto Be Stupid da Diesel. Eles pregam que não há nada de ruim em ser estúpido. “Tem coisa mais estúpida do que vender calças novas rasgadas? mesmo assim veja onde chegamos”, diz o CEO Renzo Rosso. Faz sentido, já que a idéia é não encher a cabeça com o pre-estabelecido para… conseguir criar o novo. Veja o manifesto: