Faça seu vinho

Estadão

01 de maio de 2010 | 15h16

Esta semana houve a feira ExpoVinis. Experimentei um bom vinho do frances Julian Seydoux.

 

 

 

 

 

“Mercado brasileiro é complicado. Não há cultura de beber vinho no País, mas me animo”, aposta Julian Seydoux, no Brasil para ExpoVinis. Julian preferiu fazer vinhos orgânicos no Château des Estanilles, em Faugeres, sul da França, a ficar em Paris para tocar o Canal+, da família Seydoux. O vinho? seco, com mais frutas que os Bordeaux e mais corpo que Bourgogne. E mais equilíbrio que os argentinos.

 

Chateau Estanilles: pas mal de tout

Chateau Estanilles: pas mal du tout

Agora… Não tem conversa mais chata do que a de gente metida a conhecer vinho. Fiz Cordon Bleu, a escola de cozinha, que, quer saber? é uma escola famosa no Brasil e muito popular na Asia, mas que, ao contrário do que pregam por aí, não é nem de longe a melhor escola de cozinha da França.  Entre franceses a escola é piada e os professores?  Alguns respondem na corte por assesio sexual a aulnas. Eu estive lá, sei o que estou falando. Pergunte a um francês gourmand sobre Cordon Bleu… vai provavelmente bufar antes de dizer algo sobre a escola. De qualquer forma, fiz aula de vinhos na escola e, sinceramente acho que há vinho bom e vinho ruim – e que, mesmo que os connoisseurs tenham seu vocabulário e fricotes ridículos, que, de fato, aprende sobre vinho… bebendo.

De qualquer maneira fazer vinho é legal. Em 2007, que foi ótimo para vinhos argentinos, fui a Mendoza com o Grupo LVMH nas vínicolas da Terrazzas. Programa divertidésimo, portanto interessante contra que a turma da The Wine School te leva para fazer o mesmo programa – e a próxima trip será em 8 de maio para Bento Gongalves na vinícola da Miolo.

A escola criou o programa Enolo-Go. “O Enolo-Go possibilita que pessoas que mas que não possuem formação técnica na area facam um vinho acompanhados de uma equipe de enólogos que vai escolher a uva, o terroir”, conta Eugênio Echeverria, diretor da The Wine School

Quais as etapas?

 

Definição do estilo do vinho.

Seleçionar o tipo de uva: a equipe do Eugênio selecionou os terroirs da Argentina e do Chile, apesar de que você, se tiver, pode levar sua uva.

Vinificação: o processo de vinificação em pequena escala, controle e monitoração da evolução do vinho, da a uva a garrafa.

Envelhecimento: de 6 e 24 meses, o  vinho amadurece em barricas selecionadas para evoluir e ganhar complexidade.

Embalagem: enquanto o vinho repousa, a Enolo-Go desenvolve o rótulo com você. E terminado o processo, são entregues 25 caixas de vinhos.


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: